Capas com ícones da rádio

Embora a capa das duas edições de Rádio Nacional não indique a data, elas são de começo de 1948 – e identificam dois dos mais significativos locutores da Emissora Nacional, e pouco tempo antes de serem despedidos por assinarem listas da oposição a pedir liberdade de expressão política. A II Guerra Mundial acabara pouquíssimos anos antes.

A de Etelvina Lopes de Almeida é de cerimónia, se assim podemos chamar, por comparação com a de Francisco Igrejas Caeiro, com fato macaco de trabalho e microfone ao peito, a indicar reportagem no exterior. Um e outro seriam reintegrados após 1974 na Emissora Nacional, contando com carreiras longas dedicadas à rádio, como produtores e locutores em Rádio Clube Português e nas estações locais de Lisboa.

Observação: a estrela vermelha junto ao título da revista deve ter levantado muita discussão.

[coleção Ephemera, http://officialjpp.com/raacutedio-nacional.html…]

Rádio no teatro

A companhia Teatrão, de Coimbra, vem a Almada, ao Teatro Municipal Joaquim Benite, apresentar “A grande emissão do mundo português”, uma dramaturgia de Jorge Palinhos, com direção de Isabel Craveiro em cocriação com os atores. O espetáculo sobe à cena nos dias 10 e 11 de Dezembro, quinta e sexta às 21h.Estado Novo: 1933-1974, regime autoritário e corporativista, cuja propaganda assegurou longa vida, designadamente através da instrumentalização dos media, como sucedeu com a então chamada Emissora Nacional, encarregue de difundir e celebrar um retrato do País que colaborasse de forma determinante para manter o poder nas mãos de Salazar. Eis o tema a que este espetáculo se abalança, levando para cena as estratégias de encenação de um país mirífico e totalmente delirante, que talvez valha a pena pôr em diálogo com os tempos histórico e político presentes.

Num estúdio da Emissora Nacional, cinco trabalhadores levam a cabo um programa que dura 21 anos. O seu início, em 1940 (ano em que o regime inaugura em Belém, à beira do Tejo, a grande Exposição do Mundo Português – sumptuosa feira de vaidades “para português ver”, que celebrou o país português que não combatia na Segunda Grande Guerra mas ia do Minho a Timor), é marcado pela mudança na direção da Emissora: a saída de Henrique Galvão e a entrada de António Ferro. O programa passa então a ser coproduzido com a Frente Nacional para a Alegria no Trabalho, procurando “educar sem aborrecer a nação”.

Intérpretes: Ana Bárbara Queirós, Celso Pedro, Isabel Craveiro, João Santos e Margarida Sousa.

[texto e imagem da organização teatral]

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search