Joly Braga Santos e a revista “Microfone”

A revista “Microfone”, publicada ao longo da década de 1940 e dedicada à rádio, do grupo Editorial Império, tinha Eduardo Freitas Costa como diretor e Humberto Mergulhão como editor e chefe de redação. Este último, iniciado no SNI no Porto, faria carreira em Angola, chegando a chefiar a Emissora Oficial.

A revista, além de textos da redação, vivia da colaboração de especialistas indo da rádio à música. Aqui, juntou-se o músico e compositor José Joly Braga Santos. Das colaborações, ele recebia um valor, mas a revista atrasara-se a pagar, obrigando-o a comunicar o facto aos serviços de censura, já albergados no SNI. Os dois artigos cuja remuneração o compositor reclamava valiam 100 escudos, certamente uma verba importante para equilibrar o seu orçamento familiar.

[obrigado a Gonçalo Pereira Rosa pela indicação destes documentos]

Da sua filha Piedade Braga Santos: “em 1943 o meu pai tinha 19 anos e era o único sustento da mãe, que ficara viúva em 1937, tinha o meu pai treze anos. Vivia de aulas particulares de composição e colaborações esporádicas em jornais e revistas. Almoçava em casa de primos e amigos alternadamente, para não pesar à minha avó. Só em 1946 entraria para o Gabinete de Estudos Musicais da EM e passaria a ter um ordenado regular. Foram anos muito difíceis… Refiro esta época no capítulo biográfico do livro sobre o meu pai que saiu o ano passado”.

Danças e Cantares do Povo na rádio

“Danças e Cantares do Povo” no emissor do norte da Emissora Nacional (Emissor Regional do Norte, Porto) foi um programa iniciado em janeiro de 1969, às segundas-feiras no programa da tarde, destinado a ajudar a manter tradições musicais populares. Coordenado por Fernando Rocha, a cujo espólio pertence este documento, e Sousa Pereira, uma advertência interessante: os responsáveis do programa não iriam fazer análise etno-musicológica nem seguir rigores de autenticidade folclórica.

Como o primeiro programa decorreu no dia de Reis, os autores dedicaram-se à transmissão de cantares dos Reis e das janeiras.

A rádio no livro “Café Central” de Álvaro Guerra

A primeira vez que o livro de Álvaro Guerra (Café Central) se refere à rádio é quando chega a televisão a Vila Velha. O Clube Vila-Velhense decidira adquirir um recetor e a montagem da antena exigiu uma reunião da direção para aprovar a despesa suplementar e confiar no engenheiro Silvério a sua instalação. O referido engenheiro, sócio da coletividade, era funcionário da Emissora Nacional e oferecera-se como voluntário para o desempenho da função, apoiado por dois eletricistas (p. 118). Estaríamos em 1957.

Depois, Vicente Mourão, de uma família de esquerda política em Vila Velha, foi o primeiro habitante dali a saber do desaparecimento do paquete Santa Maria. Ele ficaria de orelha atenta a todos os sons mais ou menos inteligíveis das ondas curtas da velha telefonia, pois continuava fiel aos noticiários da BBC (p. 169). Por aquela estação, acompanhou o relato do debate na Câmara dos Comuns e ouviu a oposição trabalhista criticar “the dictatorship of Dr. Salazar”. A BBC desmentia o Diário de Notícias. Contudo, “semanas depois, os situacionistas de Vila Velha seguiam aliviados a reportagem radiofónica da chegada do Santa Maria a Lisboa, empolgados pelo nacionalismo inflamado do versátil locutor Artur Agostinho, ao microfone da Emissora, o qual viria a ser condecorado por tanto zelo” (pp. 170-171). O ano de 1961, cheio de vicissitudes para o regime de Salazar, estava no começo.

O autor refere Barradas de Oliveira na sua tribuna “Rádio Moscovo não Fala Verdade” (p. 207), indica que não se arroga, por definição, a alterar o enredo ao folhetinista (p. 285) e chega à notícia de Salazar caído na cadeira. Ao passar pela porta da taberna do Belezas, uma das personagens ouvira, na rádio, a voz solene de Pedro Moutinho a dar a notícia (p. 299). Corria o ano de 1968.

Por último, a personagem David Castro procurava sintonizar a frequência dos Emissores Associados de Lisboa, com a pergunta: “onde é que são os «minhocas»”? (p. 422). O mesmo David, às 00:15, foi ouvir a Rádio Renascença. Reagiam a David: “Não te conhecia essa paixão radiofónica”. David justificou-se: “É recente… Este programa O Limite é feito por uns rapazes amigos” (p. 425). Vivia-se a madrugada de 25 de abril de 1974.

Álvaro Guerra (1936-2002) foi jornalista, diplomata (embaixador de Portugal em Estocolmo) e escritor. Licenciado pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi fundador do jornal A Luta. Oposicionista ao Estado Novo, poderia ter subido a ministro no pós 25 de abril de 1974 mas ficou-se pela direção de informação da RTP. Na sua biografia, que consultei na wikipédia, evoca-se o ter sido um dos fundadores do Partido Socialista e gostar de touradas, em especial na sua terra, Vila Franca de Xira. Da sua bibliografia, destaque para a trilogia dos cafés: Café República, Café Central e Café 25 de Abril.

Leitura: Álvaro Guerra (1984). Café Central. Folhetim do Mundo Vivido em Vila Velha (1945-1974). Lisboa: O Jornal

Maria Júlia Guerra e a informação horária nas telecomunicações

De novo, Maria Julia Guerra​ e a gravação da informação horária dos TLP, em 1973. Segundo o “Diário Popular” (29 de março de 1973), Maria Júlia Guerra substituía a voz de Maria Leonor Magro. Para o jornal, a nova voz era “pousada e bem articulada”. Um obrigado muito especial a Mário De Almeida, pela preservação do som e sua recuperação.

No som, ouve-se: “Ao segundo sinal serão zero horas. Ao segundo sinal será uma hora”. Não se recuperaram sons de minutos e segundos, mas fica aqui a bela voz daquela grande profissional da Emissora Nacional.

De uma entrevista de Maria Júlia Guerra a Luís Garlito, sobre a sua prova de admissão de entrada na Emissora Nacional, ela recordaria:

“Era um sobrescrito fechado que se abria no momento em que nós entrávamos no estúdio e depois era-nos dado o tema. Então, o tema era a seleção nacional que tinha vencido o campeonato do mundo no seu último jogo com a seleção do Brasil e chegava ao aeroporto de Lisboa vitoriosa. «O que vou dizer»? Então, eu perguntei: «eu posso dizer que a seleção nacional ganhou por 14-0»? «O que quiser. O que é preciso é que fale sobre o que se está a passar». Eu falei de tudo menos de futebol, porque, repara, não há nos anais deste desporto, julgo eu, pelo menos até à altura, um resultado desses. Vieram jornalistas de todas as partes do mundo, vieram psicólogos, vieram artistas homenagear. A surpresa correu em todos os jornais. A apoteóse da receção da nossa equipa nacional foi tema para eu me alargar até dizerem: «chega, chega». E eu não falei nada de futebol” (13 de novembro de 1991, registo do Arquivo da RTP AHC 14793).

Retrato dos homens de rádio a dias

Curt Meyer-Clason (1910-2012) foi o responsável do Goethe-Institut em Lisboa entre 1969 e 1976, depois de ter trabalhado durante mais de vinte anos no Brasil e na América Latina. No continente americano, familiarizou-se com a língua portuguesa e traduziu para o alemão autores brasileiros, como Machado de Assis, Jorge Amado, Clarice Lispector, João Ubaldo Ribeiro, Carlos Drummond de Andrade e João Cabral de Melo Neto. 

Em Portugal, traduziria também para o alemão autores como Eugénio de Andrade, Camilo Castelo Branco, Almeida Faria, Carlos de Oliveira, José Cardoso Pires, Fernando Namora, Eça de Queirós, Urbano Tavares Rodrigues e Miguel Torga. Seria o editor de uma antologia de autores (narradores) portugueses Der Gott der Seefahrer und andere portugiesische Erzählungen, Tübingen (1972), depois aumentada em Portugiesische Erzählungen des zwanzigsten Jahrhunderts, Freiburg (1988), onde incluiria Luandino Vieira, então preso no Tarrafal depois da publicação e atribuição de um prémio da sociedade de autores portuguesa. Mas excluiria Joaquim Paço d’Arcos, romancista identificado com o regime, e que, por isso, não compreendia a razão da inclusão de Luandino (p. 151). 

Quando chegou a Portugal, com a ditadura vigente, ele transformou o Goethe-Institut. Primeiro, mudou-o da avenida da Liberdade para o Campo Mártires da Pátria. Depois, e fundamentalmente, abriu as portas do instituto alemão às companhias de teatro independentes e aos intelectuais que se opunham ao regime. A ponto de o embaixador do seu país lhe chamar a atenção e os homens do SNI proibirem representações. Por exemplo: nem pensar em Brecht (p. 168) ou Peter Weiss (p. 182). Um dia, um concerto teve de ser remarcado da Aula Magna para o próprio instituto porque não havia autorização do regime português (p. 100). E bastaria ver o tipo de aquisição de livros para a biblioteca em 1970 para se perceber as ideias políticas do homem: Adorno, Benjamin, Habermas, Marcuse, Wittgenstein (p. 104). 

Em Diários Portugueses (2013), o seu olhar sobre Portugal é sibilino. O comportamento dos indivíduos, desde o senhor Jesus até ao Herr Santos, passando por Fräulein Lopes, a poetisa Natália Correia ou o escritor José Cardoso Pires, mas também os senhores embaixadores e mulheres nos jantares de pares, ficou registado nesses diários. Há uma espécie de relato sobre a filosofia do imponderável dos portugueses, que encontramos na expressão “mais ou menos” (pp. 188-189) quando se pergunta algo a uma pessoa, como o seu estado de saúde, por exemplo. O livro lê-se de um trago. Ruas, lojas, a praia da Caparica e o peixe e o vinho servido num restaurantezinho, nos idos anos de 1970, o contacto com as autoridades, a cultura, o embaixador alemão, as impressões com a mulher Christiane, as constantes referências à cultura literária do nosso país, tudo se lê bem. 

Fixei-me em Maria Rita e, por um momento, lembrei-me de Umberto Eco quando, em A Misteriosa Chama da Rainha Loana, a personagem Yambo, com nome de baptismo de Giambattista Bodoni, recupera de um AVC e se pergunta se teria ou não namorado com a jovem e bonita secretária da sua loja de livros antigos. No livro de Curt Meyer-Clason, quase nos apaixonamos por Maria Rita ao pensar como seria ela com a sua blusa cor de mostarda e lenço atrevido ao pescoço (p. 158). Parecia que Maria Rita era a rival de Christiane. Mas basta rever páginas atrás, quando ele nos apresenta Rita Nebelthau, já viúva e que regressara da Alemanha a Portugal em 1968 (p. 117), ex-funcionária da embaixada e que concorrera para secretária do Goethe-Institut, a agente voluntária do seu diretor, ao obter informações da embaixada, cujo titular era um homem bem mais próximo da orientação política oficial portuguesa. A conversa entre Maria Rita e Meyer-Clason (pp. 126-128) faz-nos abandonar qualquer suspeita sobre a relação de ambos. 

O que retirei da leitura de Curt Meyer-Clason seria a situação de contratados por projeto dos homens (ou mulheres) da rádio. João de Freitas Branco, que falava um alemão perfeito, com traços e gestos de um europeu mimado, no seu fato azul já com lustro, tinha pelo menos três ocupações para sobreviver, como alguns programas de rádio: conversas sobre a sonata de Beethoven, ópera romântica, contraponto em Bach (p. 44). Camila Felisberto, colaboradora a tempo parcial do Goethe-Institut, estudara música e trabalhava no departamento de programas musicais da rádio pública, tratando das encomendas de fitas gravadas para as estações de rádio em Portugal e nas colónias, então designadas de províncias ultramarinas (p. 28). 

Leitura: Curt Meyer-Clason (2013). Diários Portugueses. Lisboa: Documenta, 414 p., 24 €

Virgínia Vitorino

Virgínia Vitorino (1895-1967) foi escritora (poesia, teatro) e trabalhou na rádio. O seu primeiro livro de poesia, Namorados (1921) teve muito êxito, a que se seguiriam Apaixonadamente (1923) e Renúncia (1926). O tema principal era a mulher sofredora, traída pelo adultério e sempre apaixonada. Da sua geração, com quem conviveu intelectualmente, faziam parte Amélia Rey Colaço, Júlio Dantas, Afonso Lopes Vieira, Tomás Ribeiro Colaço, Olga Morais Sarmento, Fernanda de Castro e António Ferro.

Em 1929, estreou-se no Teatro Nacional com a peça Peraltas e Sécias, a que se seguiu Degredados (1930), esta a obter muito sucesso. Viriam outras peças, caso de Camaradas (1937), que, apesar da plateia elegante, teve críticas negativas. O apelo a valores morais da família e respeito pela pátria, com a mulher como mãe e companheira, seriam exaltados na peça.

Possivelmente o tema de Camaradas foi sugerido pelo casal Fernanda de Castro e António Ferro, este já responsável pelo Secretariado de Propaganda Nacional. A 22 de janeiro de 1938, Virgínia Vitorino escrevia a Salazar, a lamentar-se das críticas à peça. Os críticos não punham em causa a doutrina mas combatiam a peça na sua construção teatral. O diretor de O Século – para ela um jornal comunista – dissera mal logo na primeira representação. A República e O Diabo teriam igualmente escrito mal da peça. Mas o que mais a incomodava era o pouco espaço dado pelo jornal Diário da Manhã, quando a doutrina exposta na peça era a do próprio Salazar.

Virgínia Vitorino teve uma atividade fundamental no teatro radiofónico da Emissora Nacional (1935-1951), divulgando teatro de autores portugueses e brasileiros sob o pseudónimo de Maria João do Vale. Posso dizer que, no final da década de 1940, ela criaria uma verdadeira companhia de teatro para a rádio, em que entravam regularmente atores como Jaime Santos, Manuel Lereno, Álvaro Benamor, Carmen Dolores e Rui Ferrão. Por ela passaram ainda atores como Amélia Rey-Colaço, Aura Abranches, Eunice Muñoz, Glicínia Quartim, João Lourenço, João Villaret, Palmira Bastos, Robles Monteiro e Rui de Carvalho. Virgínia Vitorino, que queria atores sem excessos declamatórios, entrava ela própria nas peças. Ela também interpretou Diálogos, programa regular da rádio com Olavo d’Eça Leal.

A 28 de fevereiro de 1946, ela escreveria uma segunda carta a Oliveira Salazar. Nesta altura, o presidente do conselho de ministros já andava à procura de novo líder do Secretariado Nacional de Informação. Ela sugeriu nomes alternativos a António Ferro e queixou-se de este não lhe dar a autonomia que pretendia para o seu teatro radiofónico. Parecia longe a ligação de 1937 quando estreou a peça Camaradas. A erosão do poder afastava a velha amizade.

Mas o trabalho da autora na Emissora Nacional não se prolongaria muito depois da saída de António Ferro. Ela cessava a sua colaboração na rádio em 1951 e saía para uma vida familiar recatada. Em 1959, Virgínia da Glória Ferreira, sua madrinha e a sua companheira de sempre, morria, o que a deixou muito combalida. Virgínia Vitorino deu nome a ruas em Lisboa e Alcobaça, a sua cidade natal.

[na mensagem, segui de perto o texto de Maria José Marinho, no catálogo da exposição na Biblioteca Nacional em 1998, de onde retirei igualmente a fotografia da autora e radialista. Obrigado a Gonçalo Pereira Rosa por ter-me dado a conhecer o livro onde as cartas de Virgínia Vitorino foram publicadas. A primeira página da carta de Virgínia Vitorino a Oliveira Salazar retirei-a do sítio https://regiaodecister.pt/…/co…/o-pedido-de-virginia-salazar]

A rádio e as colónias

Em livro de José Miguel Sardica, Portugal e a Grande Guerra (2019), bem documentado e escrito, o autor dedica um capítulo ao diplomata João Chagas. Indigitado para primeiro-ministro em 1915, Chagas foi alvejado em atentado e ficou sem um olho, tendo abandonado a função. Sardica segue o percurso através de um Diário que o diplomata escreveu. Fervoroso partidário do guerrismo, Chagas, no seu posto em Paris, via a guerra contra a Alemanha com propriedades profiláticas de melhoria civilizacional (p. 95).

A I República parecia precisar deste embate para ser reconhecida, pensava o diplomata e defensor da guerra. Era o prestígio nacional que ganharia (p. 103), com Portugal a afirmar-se como pequena mas heroica nação perante a Alemanha e a Inglaterra. Quando Portugal entra na I Guerra Mundial em 1916, Chagas exultaria, estando longe de imaginar a tremenda e trágica batalha de La Lys em abril de 1918 (p. 119). Morreram quase dois mil soldados e ficaram feridos mais de cinco mil, enquanto os custos de entrada na guerra foram calculados, em moeda atual, em sete milhões de euros (pp. 54-55). Os antiguerristas sabiam da má qualidade de material de guerra e da falta de preparação militar mas ficariam em minoria. Os guerristas, na investigação de José Miguel Sardica, eram Afonso Costa, Norton de Matos, Magalhães Lima e Leote do Rego, além de João Chagas.

Mas a entrada de Portugal na I Guerra Mundial dera-se bem antes, com o envio de tropas para Angola e Moçambique, para deter ataques alemães. Em dezembro de 1914, o exército português sofreu uma grande derrota em Naulila, no sul de Angola (imagem retirada de https://sites.google.com/…/a-frente-angolana-e-o-combate-de…). Porém, o combate aos alemães continuou, dadas as oportunidades de renovar as conquistas e pacificação dos territórios coloniais (p. 37).

A defesa do império colonial português tornou-se o grande objetivo do país e que, com o Estado Novo, se manteve e ampliou. Destaco dois homens que se destacaram ao longo do século XX em funções governativas em Angola (depois proscritos do regime): Norton de Matos e Henrique Galvão, aquele conhecido por ter levado à criação da cidade do Huambo (e por ter perseguido e desarticulado os movimentos intelectuais africanos), este por ter incentivado a criação das ondas curtas na Emissora Nacional (1936), com as colónias como alvo principal.

De então até 1974, a Emissora Nacional teve essa grande preocupação de porta-voz político para as designadas províncias ultramarinas. Para manter a situação, nem sempre o dinheiro abundava. Em 1956, há uma nota da direção de Eça de Queirós, presidente da estação e filho do escritor, a considerar a hipótese de fechar as emissões para África por falta de investimento (obrigado a Ana Isabel Reis por me ter dado a conhecer o documento).

Não deixo de interpretar o facto como uma forma de alta pressão sobre o ministro do Ultramar. O Centro Emissor Ultramarino (CEU), em Pegões (Montijo) em ondas curtas arrancara no mandato de António Eça de Queirós na Emissora Nacional (1951-1959). Os acontecimentos na Índia (perda do controlo administrativo por parte de Portugal dos enclaves de Dadrá e Nagar Aveli em 1954) levariam a antecipar as obras de Pegões, a funcionar desde 1955, num conjunto de 22 antenas. O emissor serviria para levar a voz de Portugal à África colonial, o “Portugal ultramarino” na interpretação da época, com reforço do poder do império e apoio a populações deslocadas. Na instalação do CEU, investiram-se mais de 80 mil contos e com previsão de encargos anuais de manutenção de 18600 contos. Os estúdios da rua de S. Marçal, como alternativa às instalações da rua do Quelhas, seriam inaugurados durante a visita a Portugal da rainha de Inglaterra, Isabel II, em 1957. As instalações da rua de S. Marçal foram construídas para apoiar o Centro Emissor Ultramarino: central para ondas curtas, cabinas de gravação. Isto é: há uma continuidade de ação e não uma quebra.

O ministro do Ultramar era Raul Ventura, professor catedrático de Direito, chegando a diretor da Faculdade. Ele interrompeu a docência entre 1953 e 1958, para ser subsecretário de Estado do Ultramar (1953-1955) e ministro do Ultramar (1955-1958). Por seu lado, António Manuel Pinto Barbosa, professor catedrático no ISCEF, foi ministro das Finanças entre julho de 1955 e junho de 1965. Pinto Barbosa seria depois governador do Banco de Portugal. Marcelo Caetano foi ministro da Presidência de julho de 1955 a de agosto de 1958. Friso que todos estes ministros tinham sido empossados em 1955. Cada um dos ministros tinha uma área de grande importância na definição de objetivos do regime, ainda por cima em altura em que a pressão internacional sobre o estatuto das colónias portuguesas crescia.

A Emissora Nacional tinha um historial de dependência financeira. De 1934, ainda na fase experimental, até 1941 o seu orçamento dependeu dos CTT. Quando António Ferro assume o poder (1941-1950), consegue libertar-se da amarra dos CTT mas passa a depender do gabinete de Salazar em termos orçamentais. Sem perder o controlo, Salazar acabaria por passar o orçamento da rádio para o ministro da Presidência. Ora, Marcelo Caetano era um grande defensor dos media públicos, pelo que julgo que a emissão em ondas curtas nunca esteve em perigo, mas apenas teria havido ajustes orçamentais com a pressão adequada de António Eça de Queirós. Talvez a manutenção anual do centro de Pegões fosse um dos elementos de discórdia.

Acrescento ainda que, no final desse mesmo ano de 1956, Maria da Paz Barros Santos assumiu na Emissora Nacional a liderança na área de informação para o Ultramar, com notícias e comentários políticos. Em 1957, o serviço internacional da rádio pública ganhou reconhecimento oficial e, em 1961, alargou a importância quando Goa e outros territórios se transferiram violentamente para o domínio da Índia. A necessidade de dotar a Emissora Nacional com um serviço de comunicação mais eficaz para África exigia mais dinheiro, e daí uma possível segunda linha de justificação para maior orçamento anual.

[na terceira imagem, Manuel Bivar, António Eça de Queirós e Armando Stichini Vilela, os dirigentes da Emissora Nacional, Rádio Nacional, 2 de agosto de 1952]

Gravar discos na rádio

Durante décadas, apesar de já existirem empresas discográficas, algumas estações de rádio gravavam discos. Com frequência, estes discos tinham uma edição de muito poucos exemplares e serviam como promoção de novos artistas na rádio ou nas editoras. Rádio Graça, em Lisboa, e Ideal Rádio, no Porto, fizeram disso uma atividade comercial, embora de não grande dimensão. No caso de Ideal Rádio, o seu proprietário Júlio Silva chegou a captar registos no palco de teatros.

O exemplo junto mostra a publicação em 1951, em 78 rotações por minuto, da música Nas Voltinhas do Marão, de Maria Luiza, de que não possuo mais informação (espólio de Fernando Rocha). No campo da letra, escrita igualmente à mão, a designação Orquestra Philco. O fabricante Philco, produtor de recetores de rádio e frigoríficos, era representado em exclusivo em Portugal pela empresa Arnaldo Trindade e, no Porto, a Ideal Rádio era um revendedor, simultaneamente loja e estação de rádio. No Youtube, há uma versão dessa canção por Margarida Amaral.

Na outra imagem, fotografia de máquina de gravar discos (espólio da RTP), com o técnico em posição de gravação. A Emissora Nacional tinha outras preocupações além da comercial, pois lhe competia a vertente de registo sonoro da cultura nacional. A evolução tecnológica levou a rádio do Estado a registar em fita magnética. No Porto, porém, a manutenção de registo em disco manteve-se durante mais tempo que em Lisboa. O atraso tecnológico trouxe uma vantagem para o futuro. Enquanto as fitas podiam ser reutilizadas para novas gravações, o disco permanecia até uma eventual destruição. Por isso, ficaram registos de conferências e outros eventos no Porto.

Cantigas e galas da canção

(do arquivo de Fernando Rocha, a quem agradeço a gentileza)
O casino de Póvoa de Varzim organizou galas da canção poveira, aqui nas edições de 1972 e 1973. Na de 1972, ganhou a canção “Meu Sangue Tem Sal do Mar”, do conjunto vocal Os Trovadores, constituído por Rosita Barros, Natércia Maria, Toni Reis, Júlio Guimarães e Fernando Rocha. A canção e outras foram editadas pela Alvorada, etiqueta da Rádio Triunfo (ouvir em https://www.youtube.com/watch?v=y-97iYxK2kc). Fernando Rocha foi apresentador das duas galas, a par da locutora Alice Cruz, natural da Póvoa de Varzim e que fez carreira na rádio em Angola e na televisão em Portugal.
Segundo uma notícia, as galas não eram propriamente concursos mas espaços para apresentar canções sobre a cidade costeira, então a ganhar fama como praia e local de veraneio. A gala funcionava como meio de publicitar o turismo na zona. As duas notícias enumeravam as personalidades oficiais ali presentes. Num dos recortes, Alice Cruz é apresentada toda vestida de verde. A orquestra de Shegundo Galarza, Carlos do Carmo e Peppino di Capri seriam algumas das grandes vedetas convidadas.

Atwater Kent 1924

Atwater Kent (1873-1949) foi o primeiro industrial americano a produzir equipamentos de rádio em massa, estabelecido em Filadélfia. Em 1921, produziu os primeiros componentes dedicados à rádio e, em 1923, vendeu os primeiros recetores. No ano seguinte, abriu uma fábrica dedicada ao ramo. Em 1925, a Atwater Kent Manufacturing tornou-se a maior empresa de rádios nos Estados Unidos. Entre 1926 e 1934, a empresa patrocinou o programa The Atwater Kent Hour, com concertos nas estações NBC e CBS.

O modelo exposto na Fábrica da Ciência Viva em Aveiro, como escrevi ainda hoje, data de 1924, logo um dos modelos iniciais de Atwater Kent. Pela pesquisa de Manuel Aguiar Costa, com quem conversava ontem sobre o aparelho, e a quem agradeço as explicações seguintes, no esquema, “os três quadrados rosa representam o conjunto de uma bobina e um condensador que estavam lá e que eram os maiores módulos. Os triângulos representam amplificadores (no exemplar de ontem eram cada uma das válvulas enormes). O quadrado verde também era uma das válvulas juntamente com uma resistência e um pequeno condensador que fazem a desmodulação do sinal”. Ele retirou o esquema da página https://en.wikipedia.org/wiki/Radio_receiver, e que funciona como explicativo do modelo Atwater Kent 1924 (embora não o represente na realidade).

Nessa conversa, falámos também do super-heterodino, de Edwin Armstrong, que começou a construí-lo em 1918, ainda antes de Atwater Kent. Em curso publicado em 1967 pela Escola Militar de Eletromecânica (Paço d’Arcos), que preparava militares na área da rádio, o modelo de recetor usado era ainda o de Armstrong (a válvulas eletrónicas, quando o equipamento militar empregue na África colonial já era a transístores).

Conferência Rádio Con:Vida

“No começo da rádio em Portugal, coloco CT1AA, de Abílio Nunes dos Santos Júnior (1892-1970). Industrial e burguês, ele teve fortes prazeres na vida, como automobilista e turista. No verão, encerrava a rádio e viajava de navio até aos Estados Unidos para comprar microfones e conhecer novas tecnologias. A sua estação abandonou as emissões de ondas médias em 1935 e ondas curtas em 1938, depois de a Emissora Nacional começar a irradiar. Pelo empenho na rádio, Nunes dos Santos foi agraciado com a Comenda de Mérito Agrícola e Industrial em 1931. A geração pioneira compôs-se de aristocratas, militares, comerciantes e curiosos pelas tecnologias, a viverem em círculos geográficos próximos. Donos e locutores das primeiras estações eram apaixonados pela música clássica, pelo que a rádio parecia uma extensão da sala pública. CT1AA tinha ligações por telefone ao S. Carlos e transmitia concertos. […] depois, iria nascer o período talvez mais rico da história da rádio em Portugal, através do movimento das rádios livres (1982-1988). Este novo momento da rádio justificou-se por razões políticas (aspirações de grupos sociais e regionalistas), maior acessibilidade tecnológica e facilidade financeira. À fase inicial, a do entusiasmo dos jovens empreendedores da rádio, seguiram-se interesses do poder local, coletividades de cultura e recreio, associações industriais, comerciais, sindicais, empresariais e políticas. Diversos projetos possuíam boas estruturas profissionais, técnicas e empresariais e assumiram o papel de rádios autónomas. No todo, foi um período de experimentalismo e contracultura, dois elementos que eu aprecio muito” (dois excertos de “Rádio em Portugal, 1924-1989. O Tempo e as Vontades”, texto por mim apresentado ontem em Aveiro, na conferência Rádio Con:Vida).

Fotografia de Ana Isabel Reis

Para além da conferência, destaco a exposição inaugurada ontem na Fábrica da Ciência Viva, magnífico espaço aberto durante um ano, onde se incluem muitos recetores de rádio do museu Radiolândia [https://www.cm-olb.pt/p/radiolandia, em Oliveira do Bairro], como o Atwater Kent, de 1924. Outra das imagens mostra a cena de abertura da inauguração, com a professora Susana Sardo (Universidade de Aveiro) e representantes de instituições autárquicas e da universidade.



Emissões em língua portuguesa na BBC (II Guerra Mundial)

BBC – A Voz de Londres Fala e o Mundo Acredita (Mundo Gráfico, 30 de setembro de 1942). Duas pequenas notas: ao microfone das emissões em português, destaco as vozes de Fernando Pessa e António Pedro (também pintor e diretor e encenador do Teatro Experimental do Porto); a revista “Mundo Gráfico” era marcadamente identificada com os aliados.

Mário Rocha

Mário Rocha (1931-1968) estudou violoncelo em Rádio Clube Infantil (programa de rádio e espaço de formação musical), sendo aluno de Maria Fernanda Resende Dias, a irmã mais nova do maestro e compositor Resende Dias (e do pintor Júlio Resende). Integrou a Orquestra Infanto-Juvenil que se apresentava anualmente em público. Nos espetáculos, havia também danças, intermédios cómicos e canções. Mário Rocha distinguia-se pela sua voz.

Adolescentes, ele e Fernando Rocha começaram a frequentar a Ideal Rádio, estação popular onde se tornou famosa a Voz dos Ridículos, programa de humor. Os irmãos Rocha seriam apresentados por colega da escola primária, Avelino Azevedo, a Júlio Silva, seu vizinho e dono de loja de eletrodomésticos e dessa estação de rádio. Os dois irmãos foram aí locutores e atores. Depois, em Rádio Clube do Norte, Mário Rocha fez locução e Fernando Rochafolhetins radiofónicos, a convite de Ilídio Inácio. Logo que concluiu o curso de Engenharia Eletrotécnica (Instituto Industrial do Porto), Mário Rocha trocou a rádio por profissão apropriada.

Nas imagens, os dois irmãos Rocha e convite de espetáculo no casino da Póvoa de Varzim, onde se apresentariam os irmãos e um elenco grande da orquestra infantil do Porto, dirigida por Emília Resende, em 1942.

[arquivo de Fernando Rocha, a quem agradeço]

Comentário de Fernando Rocha: “A Orquestra do Rádio Clube Infantil era preparada pela professora Emília Resende e suas duas filhas, Maria Emília e Maria Fernanda. Mas os ensaios finais e os concertos tinham como maestro o filho António Resende Dias, que nos palcos se apresentava sempre de casaca”.