Fichas radiofónicas (20) – um percurso profissional: António Rego

Da biografia do padre e jornalista nascido nos Açores, recolho a informação que trabalhou em Rádio Renascença (Lisboa), de 1968 a 1975. Quando chegou, a estação era frágil quanto a emissores. As ondas médias tinham potência limitada e a rede de FM estava a iniciar. As emissões religiosas consistiam numa oração da manhã e uma meditação, além da transmissão da Eucaristia dominical e do terço do Rosário.

De imediato, António Rego empreendeu a organização de programas de discussão social, numa perspetiva voltada para a realidade quotidiana. Um foi o programa semanal Verdade e Vida, preparado por uma equipa de jovens e onde discutiam os seus problemas. As palestras em si – marca prevalecente da rádio até então – eram infrutíferas, pelo que valia a pena ouvir a opinião dos ouvintes. Com um grupo de jovens, habitualmente dez, ele reunia e conversava com um gravador ligado sobre temas como media, exames, santos populares, praia, convívio entre rapazes e raparigas, dia da mulher. Eram cerca de seis a dez horas de conversa, a que se seguia a montagem do que interessava manter, e a ilustração através de uma canção, poema ou apontamento, este a cargo de Alberto Campinho. O programa era apresentado por António Rego e Dora Maria, contando ainda com colaborações de Joaquim Pedro, Maria José Baião, Maria Margarida, Isa Maria e José Manuel Nunes, afinal os grandes nomes da estação naquele período. A montagem pertencia aos técnicos Mário Soares e José Videira (Nova Antena, 18 de julho de 1969).

No final de 1969, o programa foi proibido pela censura do Estado Novo: fora dito alguma coisa sobre a educação e o poder político não gostou. Para António Rego: “Com a censura, fazíamos uma espécie de jogo, sem grande dramatismo e tendo sempre um grande apreço pela liberdade de expressão. Sentíamo-nos cercados de muitas formas. Mesmo com alguma revolta por não nos podermos expressar totalmente, como era o caso dos temas de justiça social, as encíclicas sociais e outros” (p. 80 do livro abaixo indicado). Seguiram-se os programas Esquema XIII, que de semanal passou a diário, Diálogo com os que Sofrem, Palavra do Dia e celebrações. Entretanto, assumiu o cargo de regente de estúdios, o equivalente ao atual diretor de programas. Foi gestor de tensões e debates no final do regime autoritário. No período de 1974-1975, durante uma luta entre o conselho de gerência e um grupo de profissionais que haviam ocupado os estúdios de Lisboa, ele foi uma ponte entre ambos nas tentativas de conciliação.

Já na televisão, começou uma colaboração em 1968 com a RTP para a missa transmitida. Do seu percurso, destaco também o trabalho na cooperativa Logomédia, centro de produção audiovisual, a escrita de crónicas no Diário de Notícias, o programa 70×7 (1979), a TVI (1993) como diretor de informação, o Secretariado Nacional das Comunicações Sociais e a agência Ecclesia.

Fixo um artigo de opinião que escreveu na altura da atribuição da frequência nacional de FM em 1985, a constituir o segundo canal, RFM, e da questão política (o parlamento quis reverter a atribuição da frequência). António Rego defendia a frequência atribuída à Rádio Renascença, considerando que a Igreja Católica não recebia nenhum dinheiro da estação, mas, pelo contrário, tinha um “desgaste enorme de energias e meios”. Ao longo dos anos, tinha andado em peditório nacional constante para garantir meios para tornar a rádio um meio moderno. E considerava que “uma frequência de rádio que se concede não é uma cassete pirata que se empresta por duas semanas. Supõe um investimento de emissores, de equipamentos, de produção e realização”.

(parte do texto foi inicialmente publicado em 19 de junho de 2014, em https://industrias-culturais.blogspot.com/search…, com base no livro de António Rego, em entrevista a Paulo Rocha, 2014, A Ilha e o Verbo. Lisboa: Paulinas, 286 páginas)

Eu fui colega dele na docência da licenciatura de Comunicação Social e Cultural na Universidade Católica Portuguesa.

Fichas radiofónicas (19) – José Duarte e a Apolo XIII (ou 13)

Ler artigos sobre a rádio com 50 anos de distância permite conhecer a realidade de modo mais frio, mas simultaneamente mais rico. Isto a propósito da ida de José Duarte a Houston (Estados Unidos) para cobrir a chegada da nave espacial Apolo 13 (Nova Antena, 24 de abril de 1970).

Dele, conhecemos os seus 5 Minutos de Jazz, de uma imensa longevidade. Mas não sabíamos desta sua reportagem. A isto liga-se a novidade de enviar um repórter cobrir um tema destes – o cartão de imprensa de José M. A. Duarte (Rádio Renascença) é significativo. Falta dizer que ele cobriu a chegada da nave para o programa Tempo Zip, em momento de grande afirmação deste.

Mas há uma dimensão ainda maior – a do dito e a do não dito. Começo pelo título: “Contra a rotina da nossa rádio”. Depois, as diferentes alusões ao mundo novo americano – o motel, as “fantásticas” rodovias, o centro de imprensa com instalações para 700 jornalistas, com os mais modernos processos de comunicação. E a confissão do jornalista-repórter: “Senti-me perdido no meio daquele turbilhão, esmagado por toda aquela organização, à qual eu era estranho”, com linguagem a usar uma gíria de iniciais e algarismos. As tecnologias usadas – hoje rimo-nos delas – eram centenas de máquinas de escrever e telex e duas televisões😃. Mas havia outra sala em que se projetavam filmes sobre o acontecimento.

José Duarte propôs, no terreno, alargar a sua colaboração além do telefonema para Tempo Zip, sugestão aceite – a de fazer mais telefonemas, ou, como se diz hoje, “momentos de reportagem”. E continuou ele: “Fenomenal mesmo eram os telefonemas: feitos de uma cabina pública, demoravam um pouco mais, para receberem a confirmação (intercontinental) de que seriam pagos no destino”. Com o cartão de imprensa, ele pode escutar o discurso do presidente Nixon ali ao seu lado, na mesma sala, além dos astronautas e das famílias.

E do, apesar de dito, praticamente do domínio do não dito: a pergunta que ele fez ao astronauta Armstrong significou desembaraço e sentido de responsabilidade. Leitura minha: o jornalista da rádio pôde fazer tudo, incluindo perguntas e permanecer perto do político como se fosse um igual, sem seguir um guião prévio ou o controlo da censura, como estava habituado em Portugal.

Um último pormenor: o da fotografia de José Duarte, tirada em sua casa com vista para o rio Tejo. À descrição de um acontecimento no exterior e bem longe de nós, a revista entendeu dar uma mostra da intimidade do jornalista.

Armando Carvalhêda e a Rádio Clube de Alcácer do Sal (RCAS)

Armando Carvalhêda – que hoje conhecemos do programa Viva a Música na Antena 1, com a sua filha Ana Sofia e dedicado à música portuguesa – começou a trabalhar quase como se fosse um profissional na rádio em 1972-1973, enquanto cumpria o serviço militar na Guiné (1971-1973). Era o programa designado carinhosamente “Pifas”. O programa não tinha profissionais propriamente ditos, pois pertencia a uma estrutura militar, da responsabilidade da Repartição de Assuntos Civis e Acção Psicológica (APSICO), segunda repartição do Comandante-Chefe.

Mas Armando Carvalhêda tivera uma experiência anterior, ao ser um dos fundadores de uma rádio não legalizada (não gosto do termo pirata), Rádio Clube de Alcácer do Sal (RCAS). Nessa altura (1967-1968), estudava em Setúbal e um colega dele, dado às coisas da eletrónica e que passava os fins de semana em Alcácer do Sal, aparecia constantemente com invenções. Um dia, propôs-lhe criar um emissor de rádio. Ele era assinante de uma revista inglesa de eletrónica, onde vinham anúncios de kits para fazer pequenos emissores, de fraquíssimas potências. A rádio RCAS, emissor 225, foi para o ar em 1967 e emitia em ondas médias, aos fins de semana. A estrutura de RCAS era mínima: emissor, antena, gravador para emitir os programas gravados, dois gira-discos e microfone. Não havia publicidade.

A programação era preenchida com música e reportagens (não havia noticiários). Foi a reportagem que levou à morte da rádio. O colégio frequentado por Armando Carvalhêda ficava próximo da casa de José Afonso e ele teve a ideia de lhe fazer uma entrevista, montando-a com os meios que tinha, um velho gravador de cassetes. Claro que a rádio acabou ali, com emissor apreendido, pois a entrevista a José Afonso incomodou ao poder. Ao invés de mera conversa, a entrevista contou com espaços de música, a deixar entender que o entrevistado não podia chegar ao fim do desenvolvimento da sua ideia. A entrevista incluiria uma canção , “Chamaram-me Cigano”, mais tarde registada em álbum do cantor. José Afonso tocou a canção num canto da sala e os amadores da rádio gravaram.

Fichas radiofónicas (13) – sobre a volta a Portugal em bicicleta

O título da notícia do Diário Popular (30 de julho de 1973), apesar de não falso, é enganoso – “João Lourenço (do grupo 4) na volta a Portugal em bicicleta”. Na leitura da notícia, percebe-se mais alguma coisa. Mas muito ficou por escrever. Daí, a sempre necessária prudência na leitura de um jornal.

O grupo 4 era um dos mais promissores grupos de teatro – e tal ficou visível depois de 1974, nomeadamente com as suas encenações de peças de Brecht. João Lourenço assumiu-se como o maior rosto da companhia Teatro Aberto. Mas a volta em bicicleta? O texto jornalístico diz que não seria para correr numa bicicleta mas para um lugar na organização.

Já lá volto, mas agora interessa-me o fascínio desta prova. Eu sempre gostei de a seguir na rádio e, depois, na televisão. Sempre me interroguei como é que aquela gente simples – operários, artesãos, alguns camponeses – se esforçava numa das modalidades de maior esforço físico e em cima de uma máquina tão frágil como a bicicleta? Para mim, eles são heróis românticos em busca de uma glória de quase nada. Na minha memória ficaram Ribeiro da Silva (de um pequeno mas garboso clube do Porto chamado Académico), Alves Barbosa, Artur Agostinho. E termos como meta, sprint (e sprinter, aquele que se esforça no último momento para chegar em primeiro), pelotão, trepador, rolador, fugitivo (ou fugitivos, os que saíam do pelotão e se isolavam à frente), carro-vassoura (para os desistentes).

A prova, uma atividade sazonal numa quinzena de agosto, atiçava a generosidade romântica desses corredores mas, nessa altura em especial, a indústria da rádio. A publicidade fazia ganhar dinheiro a toda a gente, incluindo prémios. Um organizador mais ousado convidou, mesmo no começo da década de 1950, Francisco Igrejas Caeiro a criar espetáculos de variedades durante a prova. No concelho onde acabasse a etapa, ele montaria um espetáculo com os seus artistas, a prestigiar o concelho de receção e a animar a população local. Na última etapa, havia um concurso e um espectador ganhava um prémio. Era o programa “Companheiros da Alegria”.

A colaboração correu bem, até Francisco Igrejas Caeiro dizer numa entrevista a um jornal desportivo do Porto que o dirigente mundial que mais apreciava era Nehru. Ora, a Índia ocupara dois pequenos territórios sob administração de Portugal – Dadrá e Nagar-Aveli. O ministro Lumbrales retirou logo a autorização para os espetáculos e Igrejas Caeiro viu-se obrigado a vender o seu autocarro dos “Companheiros da Alegria ao Benfica, o seu clube do coração. Poucos anos depois, o ministro Marcelo Caetano retirou a proibição, mas o modelo de espetáculo passara de moda.

A rádio acompanhava a volta a Portugal em bicicleta. Talvez exagere, mas esta prova foi a que colocou mais desafios à imaginação dos repórteres. Ainda não havia walkies-talkies, ou sistemas de comunicação à distância, Rádio Clube Português ainda não comprara um meio aéreo para facilitar os contactos nem se imaginava o telemóvel. O que havia eram umas escassas cabinas telefónicas e o telefone particular de alguém conhecido no concelho A ou B. O pai do antigo ministro da Educação Marçal Grilo tinha uma loja em Castelo Branco, com telefone. O então muito jovem alegrava-se quando o repórter da rádio usava o aparelho para dar a classificação do dia e mais pormenores. Nesse dia, era uma festa assistir ao epílogo da etapa daquele ponto onde estava o telefone.

A notícia do Diário Popular parecia sugerir algo de semelhante. Mas há uma história por detrás, deliciosa, se quisermos, ou com uma questão moral associada. O experiente Tomé de Barros Queirós, antigo cantor de opereta e depois proprietário de uma agência de publicidade, comprara os direitos de uma radionovela, a depois popularíssima “Simplesmente Maria”. Melhor: comprou os primeiros episódios e começou a emitir. Os atores não podiam revelar a sua identidade – fazia parte do contrato. Mas a novela tinha um problema. A empregada vinda da aldeia para trabalhar em casa dos senhores – criada, como se dizia então – foi seduzida pelo filho da casa, então já licenciado em medicina. A rapariga ficou grávida. Era uma questão de classe social – não podia haver casamento entre um médico e uma criada. Para evitar o escândalo, o menino foi enviado para Angola, onde exerceria a profissão. O tempo encarregar-se-ia de fazer esquecer o caso – e o mundo continuaria a girar da mesma maneira.

Ora o médico era interpretado por João Lourenço e já recebera uma boa quantia pelo desempenho. Como o seu papel desapareceu (só reapareceu muito para a frente), ele quis devolver a maquia. Acontece que Tomás Barros Queirós pertencia à organização da volta a Portugal em bicicleta e João Lourenço gostava de ciclismo. As vontades juntaram-se e o dinheiro recebido foi para a atividade da volta e não da novela.

“Simplesmente Maria” teve um mais que enorme sucesso radiofónico. Comparável à coxinha do Tide, de Rádio Graça em 1955-1956. Acrescento dois pormenores: a radionovela passou em Rádio Renascença e ao começo da tarde via-se muita gente de ouvido colado ao seu transístor. A novela ultrapassou o tempo do golpe de Estado de 1974: apesar do entusiasmo revolucionário, a história da Maria teve impacto grande. Afinal, a criada dera a volta e, após adquirir uma máquina de costura, tornou-se empresária de moda. A origem da novela era argentina e assentava numa quase inverosímil história. Ficção e realidade pareceram juntar-se.

(Diário Popular, 30 de julho de 1973, Flama, 12 de outubro de 1973)

Fichas radiofónicas (12) – um percurso profissional: Alfredo Alvela

Alfredo Alvela (1934-1994) foi locutor, realizador e repórter da rádio. Talvez a memória maior dele seja na área da reportagem. A sua carreira começou em 1950 no Emissor Eletromecânico (Porto), de onde passou em 1956 para Rádio Clube Português, após concurso. Ele também se candidatou à Rádio Renascença, ainda a funcionar na rua da Alegria, ficando em segundo lugar na classificação. Esta estação, logo depois, mudaria para o sétimo andar de edifício novo na rua Sá da Bandeira. Enquanto repórter, nos anos finais da década de 1950 e ao longo da década de 1960, Alfredo Alvela fez trabalhos sobre a pesca do bacalhau, inaugurações da ponte da Arrábida e de barragens do Douro Internacional, visitas ao Porto da rainha inglesa Isabel II e do presidente brasileiro Juscelino Kubitschek, campeonatos de hóquei em patins, voltas a Portugal em bicicleta, digressão do Orfeão Universitário do Porto aos Estados Unidos (1968) e programas em emissoras de língua portuguesa nos Estados Unidos e cobriu um desastre ferroviário de Custóias, a cheia do rio Douro em 1962 e o naufrágio do navio Silver Valley e salvamento da tripulação.

Com Humberto Branco, também de Rádio Clube Português, ele assinaria desde fevereiro de 1967 o programa diário Clube da Juventude (22:30-00:00), com a frase “Em cada jovem há um homem, em cada homem houve um jovem; mantém em ti o jovem” a acompanhar o indicativo do programa. Além do disco, a preocupação dos dois realizadores foi ter rubricas culturais de literatura, artes plásticas, filatelia, jazz, aviação, poesia, cultura física, música de concertos e participação de ouvintes através de cartas (Nova Antena, 16 de janeiro de 1970). Outra rubrica em que ele entrou foi, na segunda metade de 1967, Norte 67, com entrevistas a gente da cultura e da arte (a partir do meu livro Os Microfones da Rádio. Do Portuense à Delírio).

Nas suas memórias escritas num blogue, o embaixador Francisco Seixas da Costa recorda que, com 18 anos, se apresentou nos estúdios do Porto, na rua de Ceuta, a pedir “emprego”, ao tempo em que fingia estudar engenharia. Alfredo Alvela abriu-lhe as portas do seu Clube da Juventude, onde realizou durante meses Tempo de Teatro, com textos do João Guedes e jingle com efeito de eco, feito no vão do elevador do prédio. O mesmo embaixador lembra-se que, por vezes, pela noite dentro, Rui de Melo lhe entregava a emissão de Onda Noturna, onde ele ficava a “pôr discos” e a dizer banalidades serenas, no tom que o programa exigia.

Alfredo Alvela foi um dos profissionais que se mudou do Porto para Lisboa (houve profissionais que fizeram o percurso inverso, como Rogério Leal, com toda a carreira ao serviço da Emissora Nacional, e Ilídio Inácio, este apenas partindo de Santarém, para os Emissores do Norte Reunidos). A sua entrada no programa PBX (dos Parodiantes de Lisboa) foi essencial para essa transferência (Diário Popular, 20 de abril de 1970). A rádio ficou a ganhar. Por isso, Alfredo Alvela fez parte também do riso dos Parodiantes de Lisboa. Na rubrica “Rádio Crime”, ao lado de Rui Andrade (autor dos textos e com a personagem Ventoinha), de Callaty Santos (Buraquinho), José Andrade (inspetor Patilhas), ele desempenhou papéis vários (Flama, 24 de março de 1972). Ele também trabalhou em programas de Ruy Castelar, vivendo até em sua casa, durante algum tempo (testemunho pessoal de Ruy Castelar).

Num dos episódios do programa de João Paulo Diniz, No Ar, História da Rádio Em Portugal (https://arquivos.rtp.pt/conteudos/no-ar-episodio-6/) – uma das grandes fontes para estudar a rádio em Portugal –, ele é recordado como tendo feito, entre outras reportagens, a de 25 de abril de 1974 no largo do Carmo, em Lisboa, quando Marcelo Caetano se rendeu aos militares revoltosos (cerca do minuto 5:30 para a frente no episódio).

Mas Alfredo Alvela foi também repórter a 26 de abril, junto à prisão de Caxias, e a 28 de abril, a acompanhar a viagem de comboio que trouxe Mário Soares do exílio para Lisboa. Às primeiras horas de 26 de abril de 1974, Alfredo Alvela entrou no forte de Caxias e recolheu os primeiros depoimentos dos presos políticos ali encarcerados (Armando Pires estava com ele). Ainda nessa manhã, pelas 11 horas, Rádio Clube Português deu a ouvir aos portugueses, pela primeira vez, relatos de torturas, espancamentos, terror e morte, vividos naquela prisão política (testemunho pessoal de Armando Pires, coautor da reportagem e cuja fotografia aqui publicada pertence ao seu espólio). Nesta reportagem de Caxias, Alfredo Alvela teve a preocupação de dizer constantemente as horas do acontecimento, um pormenor aparentemente insignificante, mas a dar conta da marcha do tempo (testemunho pessoal de Manuel João Coelho).

Da reportagem sobre Mário Soares, conta-se uma história muito curiosa, a da cassete. Na manhã de 28 de abril, caía na redação de Rádio Clube Português a informação de que Mário Soares, regressado do exílio, viajava para Lisboa no Sud-Express. A Emissora Nacional enviara para Vilar Formoso o repórter Mário Meunier para entrevistar Soares durante a viagem. Conhecedor do percurso do comboio Sud Express e antigo profissional de Rádio Ribatejo (Santarém), estação do universo de Rádio Clube Português, Armando Pires apresentou um plano suscetível de antecipar a informação e bater a Emissora Nacional. Armando Pires partiu de automóvel com Alfredo Alvela (a quem tratava por Alfa), deixando-o no Entroncamento, última paragem do comboio antes de Lisboa, enquanto Rádio Clube Português dava instruções a Rádio Ribatejo para abrir a linha telefónica quando necessário para uma operação específica. O jornalista entrou no comboio (Entroncamento), entrevistou Soares e, conforme o combinado, atirou a Armando Pires, pela janela do comboio, à passagem pela estação de Santarém, uma cassete com a entrevista. Dez minutos depois, mesmo sem ser editada, a entrevista estava no ar. Deviam ser 12:30, meia hora antes da chegada do comboio a Lisboa. A entrevista realizada pela Emissora Nacional só foi para o ar muito tempo depois (testemunhos pessoais de Armando Pires e Ana Isabel Reis).

Em julho de 1974, João Paulo Guerra e Alfredo Alvela embarcavam num voo da TAP para Bissau. Os dois, que tinham trabalhado no programa PBX, eram os únicos passageiros, aquele em reportagem para a Emissora Nacional, este para Rádio Clube Português. Em Bissau ajudaram-se no que foi possível e testemunharam acontecimentos inesquecíveis como a greve geral de 3 de agosto de 1974, em Bissau, no aniversário do massacre de Pidjiguiti. João Paulo Guerra separou-se do colega porque conseguira o exclusivo de viajar até áreas da Guiné controladas pelo PAIGC, com Alfredo Alvela a despedir-se com a sentença: “amigo não empata amigo”. De maneira que beberam à despedida e o primeiro seguiu rumo a Canjambari (testemunho pessoal de João Paulo Guerra). De outros trabalhos de Alfredo Alvela como repórter, realço o de 1975 em Helsínquia, quando fez a cobertura da Conferência de Segurança Europeia, integrando a comitiva do presidente da República, general Costa Gomes (testemunho pessoal de José Lourenço). No funeral do cantor José Afonso (fevereiro de 1987), ele fez uma reportagem fantástica (testemunho pessoal de Isabel Gonçalves).

Nos últimos anos de vida, Alfredo Alvela regressou ao Porto, à RDP-Antena 1, cidade onde faleceu a 1 de fevereiro de 1994 em circunstâncias não esclarecidas, quando vivia em pensão na rua Galeria de Paris, paralela à rua Cândido dos Reis, onde se situava a sede portuense da RDP (testemunho pessoal de Fernando Maciel). Ana Isabel Reis cruzar-se-ia com ele em 1988-1989, a indicar o tempo de volta ao Porto. Era diretor de informação José Gabriel Viegas e ele regressara ao Porto por intermédio de António Bondoso (testemunhos pessoais de Fernando Maciel, António Bondoso, Ana Isabel Reis e Manuel Costa Monteiro). As cerimónias fúnebres realizaram-se na Igreja da Trindade. Os últimos anos de vida tinham sido penosos.

Fotografias de relatadores de futebol

As três fotografias – das que conheço com relatadores de futebol – que mais gosto. Há dias, editei fotografias de relatores (ou relatadores) de futebol. Mas publico agora as melhores imagens que eu conheço (duas já as tinha colocado aqui).

1) Celestino Leston Bandeira, início da década de 1970, sul de Angola. Creio que a acompanhar o clube da Jamba, que subiria à primeira divisão no território. Não sei se o encontro foi na Huíla ou no Moxico, mas sei que a imagem tem um enorme valor sentimental para o então radialista de Rádio Clube da Huíla (Lubango). Além dele, do seu pequeno filho ao lado e dos técnicos, ressalto o fundo, com o sol a entrar na máquina fotográfica e a estreitar a representação dos assistentes, dando uma dimensão algo fantasmagórica (imagem retirada da sua página do Facebook). Em livro que já preparei sobre a história da rádio em Angola, conto histórias de superação técnica para emitir relatos em localidades com dificuldades de ligações telefónicas.

2) Orlando Dias Agudo, no começo da década de 1970. a relatar um jogo Ujpest-Benfica para a taça dos campeões europeus, com resultado desfavorável para a equipa portuguesa. Além do relator, a fotografia tem um pormenor evidente, o polícia politico a tentar compreender a ação linguística daquele. Faz-me lembrar um filme de “suspense” de Hitchcock. Foto do arquivo do autor (que eu copiei para aqui há pouco tempo).

3) Alfredo Quádrio Raposo (Rádio Nacional, 10 de julho de 1948). Ele foi o primeiro relatador de futebol da Emissora Nacional. A fotografia tem muito má qualidade (copiada de cópia de cópia) mas tem uma grande beleza para mim. A postura em diagonal, como se fosse uma pintura a buscar a perspetiva, as boinas de Quádrio Raposo e colega ao lado, o microfone com sistema de segurar no pescoço e a ideia impressionista causada pela indefinição da imagem, em especial se se procurar a multidão que assiste ao jogo.

Fichas radiofónicas (11) – um percurso profissional: Tany Belo

Em 1959, Luís Filipe Costa revelava-se como noticiarista, acompanhado de Tany Belo (Maria Albertina da Silva Belo da Costa, 1931-1974) e técnico Alberto Seabra. Por via disso, nasceu uma relação muito próxima entre o noticiário da APA (“Jornal da APA”, 19:30-20:10), de que Luís Filipe Costa era responsável, com a depois chefia, por este, dos noticiários da estação (1961). Do casamento de Luís Filipe Costa com Tany Belo nasceu um rapaz.

Nem sempre a primeira experiência com o microfone resultava bem, como reconheceu a locutora, estreada aos dezasseis anos na Rádio Universidade (Plateia, 22 de junho de 1965). Pouco depois, começou a atividade de locutora profissional nos passatempos APA, no teatro Éden. Este era um programa de variedades, com cantores novos e concursos, depois transmitido pela rádio, apoiado em publicidade. “Sensibilidade, boa voz e cultura” eram os ingredientes fundamentais para um locutor, segundo Tany Belo. Em 1959, em Rádio Clube Português. António Miguel, Armando Marques Ferreira, Edite Maria, Julieta Fernandes, António Revés e Tany Belo constituiriam a primeira equipa do programa “Meia-Noite”. Tany Belo preferia a locução direta e improvisada, por ficar com a sensação de comunicar espontaneamente com os ouvintes.

Ela acumularia a atividade com experiências como locutora de publicidade, no teatro ligeiro, ela que começara no teatro de revista (Plateia, 6 de maio de 1969), e no filme “Vendaval Maravilhoso” (de José Leitão de Barros, 1949, a partir de novela de Jorge Amado), sobre a vida do poeta brasileiro Castro Alves, que lutou pela abolição da escravatura dos negros, e o seu romance com a atriz portuguesa Eugénia Câmara, papel interpretado por Amália Rodrigues. No filme, com um pequeno papel, a locutora aparece identificada como Albertina Belo. O filme sofreria muitos cortes devido ao tema.

Já em 1967, os seus programas eram “Clube do Disco” (Rádio Clube Português, Porto, das 15:30 às 15:58), “Rádio Jornal” (Rádio Clube Português, das 19:30 às 20:00, todos os dias em onda média), “Banda Sonora” (Rádio Clube Português, da 1:00 às 2:00 em FM) e “A Noite é Nossa” (Rádio Clube Português, das 3:00 às 6:00), programa de Ruy Castelar que sucedera a “Sintonia 64” (Plateia, 29 de agosto de 1967). Em 1968, ela era uma das vozes femininas das Produções Carrocel (Antena, 1 de janeiro de 1968). Tany Belo foi igualmente locutora de Rádio Renascença e manteve, durante anos, uma coluna de aconselhamento na revista Plateia. O “Clube do Disco” era um programa que poderia ter pernas para andar porque se tratava mesmo de um clube que tinha cartão de identificação, emblemas de lapela e propunha-se enviar discos para qualquer parte do mundo, o que na altura não era fácil (testemunho pessoal de Ruy Castelar).

A locutora faleceria em janeiro de 1974.

Imagens: Nova Antena, 3 de janeiro de 1969, Antena, 1 de janeiro de 1968, Flama, 24 de Março de 1972 (a interpretar programa dos Parodiantes de Lisboa), Diário Popular, 18 de janeiro de 1974, cartaz do filme.

Fichas radiofónicas (10) – indicativos e separadores

O jingle é uma pequena composição musical, normalmente cantada e com duração até um minuto. Gostaria de lhe chamar indicativo de programa, conquanto a palavra de origem americana existente desde a década de 1920 tenha muito uso também no nosso país. Constitui uma apresentação de rubrica, a sua personalidade e identidade. Também pode funcionar como separador de programação e substituiu o gongo, carrilhão ou sino das emissões das primeiras décadas da rádio.

Em Portugal em 1970 um indicativo custaria cerca de dez contos (cerca de três mil euros a preços de 2020, segundo o conversor da Pordata). Na sua realização, além do compositor, entravam cantores e instrumentistas. O último jingle composto até esse momento por Jorge Costa Pinto seria gravado por uma orquestra de dez músicos (Diário Popular, 13 de fevereiro de 1970). Não consegui descobrir nenhum jingle do compositor.

Fichas radiofónicas (9) – os intocáveis

“Intocável” é alguém ou entidade que não pode ser atacado ou criticado, porque protegido por pessoas ou instituições poderosas, diz o dicionário. Mas aqui o significado é diferente.

Paulo Fernando e Orlando Dias Agudo foram os responsáveis da rubrica Os Intocáveis em Rádio Clube Português: “apesar de feita em tom ligeiro, ainda que sério, tem suscitado todo um mundo de controvérsia”, lia-se na legenda que anunciava o programa (Nova Antena, 14 de fevereiro de 1969). Logo depois, Orlando Dias Agudo explicaria a razão da rubrica, surgida ainda em 1967: “apontar aquilo que de mau ia surgindo no panorama musical português” (Nova Antena, 14 de março de 1969). O alvo era somente a música portuguesa e em especial as letras das canções. Com apenas dez minutos de emissão semanal, o programa constituiu um grande êxito.

O grande impacto do pequeno programa era o som de um disco a partir-se. Os autores tinham gravado o ruído de um disco a quebrar-se no chão e acompanhavam a sua crítica de intocável com essa passagem sonora “catrapum, zás, catrapaz”, a conceder mais realismo. À facilidade de gravar um disco – como escrevia o jornalista: “hoje, qualquer bicho careta pode gravar um disco” – os autores da rubrica propunham qualidade. Claro que a iniciativa causaria aborrecimentos aos autores, mas, ao mesmo tempo, teria havido editoras que pediam para eles tocarem os discos por si editados. As frases-chave do programa eram “falem de mim nem que seja a dizer bem” e “este disco é intocável mas felizmente não inquebrável, por isso vamos parti-lo”. São duas frases tão criativas como é a rádio. Há disto na televisão ou na internet? E onde está, a não ser na rádio, a magia do som e as vozes certamente graves e sérias daqueles senhores a dizerem isto?

Esta rubrica – que deve ter dado muito prazer aos pequenos patifes😁 Paulo Fernando Tac-Tac e Orlando Dias Agudo – devia voltar agora. Quando ouço alguns músicos e letras das suas canções fico pelos cabelos. Como rimar bruxa com Fatucha ou geleia com teia ou esfreguei-a. Ou as vozes. Cá em casa, a um cantor chamamos-lhe o “arrasta móveis”. O rapaz até tem simpatia e boa presença, mas não canta.

Orlando Dias Agudo é um homem culto e que eu estimo – pelo que mando um abraço daqui. Aliás, ele, pouco depois, receberia o prémio Maria Matos de teatro, jornalismo e rádio pelo trabalho “Maria Matos – uma vida ao serviço do teatro” (Nova Antena, 10 de abril de 1970).

Fichas radiofónicas (8) – uma equipa de noticiaristas há 50 anos

“Os telexes nunca param no seu matraquear. […] Os ouvidos atentos ao telefone. Os gravadores prontos para o registo em fita magnética. […] A rapidez da comunicação constitui o primeiro requisito para o valor da notícia. […] O bom serviço que ali se faz é também um consequente do profissionalismo dos homens que trabalham no SN [serviço de noticiários] do RCP [Rádio Clube Português]. […] Num constante alerta, o noticiarista vive o seu período de trabalho, entre a secretária e o microfone, selecionando, emendando, ampliando por vezes a informação e dando-a ao ouvinte na melhor oportunidade. […] Quando a informação colhida não é bastante e o acontecimento o justifique, o SN do RCP recorre à colaboração dos Serviços de reportagem ou aos Serviços de escuta. E deslocam-se repórteres para os locais ou captam-se e gravam-se as estações de rádio que forneçam notícias sobre o facto” (Nova Antena, 31 de janeiro de 1969).

O texto, assinado por A. Leston Martins – uma verdadeira lição de jornalismo radiofónico -, incluía fotografias e pequenos currículos dos noticiaristas. Registo várias características, a primeira das quais a frequência universitária de alguns deles: Manuel Bravo no Instituto Superior Técnico, Luís Filipe Costa (não indica a Faculdade), João Paulo Guerra (que abandonou por “incompatibilidade temperamental com o curso” de medicina😖). Depois, as designações internas, como Paulo Fernando, o Tac-tac, e as origens profissionais de alguns deles: APA (publicidade), rádio de Goa. Além do galardão em 1966 dado ao serviço de noticiários pela revista “Ondas”.

Os noticiários eram de hora a hora e curtos. Mas havia um de maior extensão, no começo da madrugada. A informação constituiu, desde 1961, uma das principais marcas da estação, já a funcionar na rua Sampaio e Pina, em Lisboa, depois de muitos anos na Parede.

Fichas radiofónicas (7) – relatos desportivos

O futebol e outros desportos mobilizaram desde sempre a rádio. Nos Estados Unidos, o basquetebol foi uma das modalidades a ter transmissões com grande impacto na cultura popular. Em Portugal, e na Europa em geral, o futebol têm tido a primazia. Até a linguagem se reinventa, casos de “Ripa na Rapaqueca” ou “O que é que é isso, ó meu?”, de Jorge Perestrelo, a mostrar momentos menos expressivos do jogo, e “a bola beijou a malha da noiva” ou “não vale a pena chorar, Tibi”, como um locutor brasileiro ao serviço de uma rádio no Porto exclamava quando havia golo. Tibi era guarda-redes ao serviço do F. C. Porto.

As tecnologias de transmissão de um jogo desportivo sempre chamaram a minha atenção. Centro-me em Rádio Clube Português, de que falei recentemente de um helicóptero e de um avião. Hoje, escrevo sobre um carro de exteriores, com transmissão no longínquo ano de 1939, fotografado no dia do desafio de futebol Portugal-Suíça (Nova Antena, 18 de setembro de 1970). A fotografia tem uma dedicatória assinada por Domingos Lança Moreira, radialista sempre dedicado aos desportos. Da fotografia, destaco os quatro colaboradores da estação, todos identificados pelo vestuário e pelo boné, e os dois altifalantes por cima da cabina de condução. Julgando não haver erro de paralaxe, o carro é mais alto atrás da cabina de condução, a indiciar que os operadores podiam quase circular de pé dentro do veículo.

Ora, um carro de exteriores significa parafernália tecnológica dentro do campo desportivo. Junto imagens significativas, a primeira bem conhecida, com Artur Agostinho (e equipa técnica) a relatar um desafio em abril de 1947 (arquivo da RTP), junto à linha lateral do jogo, sujeito ao tempo e às bocas da assistência ao jogo, por detrás dos profissionais. As outras duas imagens mostram os profissionais Mário Cília, Horácio Santos e técnico Jorge Mata (Produções Lança Moreira) e Fernando Correia e técnico (Nova Antena, 26 de setembro de 1969), já numa cabina, com um ângulo de visão melhor porque num lugar mais alto e fora do escrutínio direto dos assistentes ao desafio.

Fichas radiofónicas (6) – Rádio Renascença – Porto

Faço aqui um rápido excurso à Rádio Renascença, no Porto. A estação começara a emitir em Lisboa (janeiro de 1937), com emissores de ondas médias e ondas curtas, e no Porto (maio de 1941). D. António Castro Meireles, bispo do Porto, lançou a bênção da estação naquela cidade. Inicialmente, a emissão portuense resultou de música gravada e transmissão do programa de Lisboa, captado em ondas curtas. O horário era: todos os dias (20:00-23:00), sábado (19:30-23:00), domingo e quinta-feira (12:00-13:00, 19:30-23:00). Algum tempo depois, a estação transmitiria a missa dominical a partir da igreja de Cedofeita (12:00). Com a chegada de um emissor potente, de 10 kW (janeiro de 1957), e anúncio de montagem (maio de 1957), além do abandono das velhas instalações da rua da Alegria, 411, 1º, para os estúdios de prédio novo na rua de Sá da Bandeira (outubro de 1959), a Renascença do Porto tornou-se uma das mais importantes estações da cidade.

Dos nomes mais conhecidos da estação, retenho quatro: Jorge Peixoto, Olga Cardoso, Fernando Rocha e padre Eloy Pinho.

Do percurso de Olga Cardoso, retiro duas ou três notas. A primeira, a da gravação de um diálogo com Américo Graça, escritor de peças radiofónicas, pelo que ela seria convidada para a equipa do teatro radiofónico da Orsec. Depois, integrou a equipa do teatro radiofónico de Rádio Clube do Norte, com Ilídio Inácio, Fernando Rocha e Regina Borges. Olga Cardoso e Fernando Rocha faziam habitualmente de personagens más, enquanto Ilídio Inácio desempenhava as boas personagens. Nunca lhe fizeram uma espera para bater na personagem má mas, um dia, num transporte público, ouviu duas senhoras a falarem do que tinham ouvido no dia anterior, uma segunda-feira, dizendo mal da sua personagem. Ela colaborou em programa de grande importância na rádio portuense, ainda antes de ir para a Rádio Renascença, Última Hora, de Carlos Silva, o pioneiro dos programas após a meia-noite. Olga Cardoso foi a primeira voz feminina e Carlos Silva a primeira voz masculina a aparecerem na rádio depois da meia-noite. O programa era basicamente musical e tinha textos para dizer com a voz da noite. Os ouvintes gostavam muito. A locutora gravava os seus textos durante o dia, mas havia ouvintes que julgavam que ela estivesse também à noite. Apenas Carlos Silva ficava no estúdio para a emissão em direto, Olga Cardoso tornou-se muito conhecida na Renascença pelo programa Despertar e, depois, fez um programa na televisão.

Jorge Peixoto era, no início da década de 1970, uma das vozes mais ouvidas na rádio portuense. Era locutor e repórter, parecendo gostar mais desta atividade, como indica na entrevista à Nova Antena, de 11 de setembro de 1970. Para ele, que estudava germânicas, o locutor devia ter uma cultura geral vasta, a incluir língua portuguesa, história da música, teatro, psicologia, para evitar que fosse um mero leitor de títulos ou capas de discos.

Imagens: festa de homenagem a Olga Cardoso (na fotografia com Fernando Rocha, que forneceu os materiais fotográficos) em 7 de dezembro de 1986, entrevista a Jorge Peixoto, fotografia tirada ainda na primeira sede da rádio no Porto: Reinaldo Andrade, Fernando Rocha, Maria Eugénia Machado e Daniel Gonçalves.

Fichas radiofónicas (5, 4ª parte) – Locutoras

Hoje, último texto sobre locutoras, não vou escrever sobre as pioneiras da Emissora Nacional, Áurea Rodrigues ou Maria de Rezende, da elitista (para mim, que a escolhi para a capa de um livro meu) Helena d’Eça Leal ou da aventurosa (porque trabalhou em Angola) Joana Campina Miguel. Talvez fiquem para outra ocasião. Nem sigo as entrevistas de Luís Garlito.

O meu objetivo, agora, é lembrar as populares Mary e Maria Leonor. Sim, os seus nomes de família desapareceram das notícias. A primeira chamava-se Mary Torrant Rodrigues; com esse nome só podia ser inglesa. A página publicada na Nova Antena, de 20 de fevereiro de 1970, indica que ela começou a falar ao microfone em fevereiro de 1937, a primeira voz feminina na rádio portuguesa. Eu duvido, pois a Emissora Nacional já tinha as suas duas pioneiras. Então, a estação da Parede começou identificada com um novo indicativo musical, Caravana, de que não sou capaz de dar mais informações. Dela, ficaram a longevidade na função na estação e as suas fotografias de penteados significativos (e de uma imagem maternal com Álvaro Jorge e Jorge Alves, género trio maravilha da rádio).

Maria Leonor Pereira Magro foi uma espécie de primeira dama da rádio. Dela, colhi a impressão de rabugenta (a queixar-se de muito trabalho e de salário baixo) mas também de voz influente, capaz de ultrapassar as querelas trazidas pela revolução de abril de 1974. Dela retenho a entrevista dada ao jornal Ponto (edição de 19 de fevereiro de 1981), a apresentar-se como mulher que luta com problemas de solidão e sem esperança. Então, tinha 58 anos de idade e 36 anos de profissão, um filho de 31 anos e divorciada de Pedro Moutinho, outro locutor famoso na época. Ela nascera em Lisboa, no bairro da Estrela, e vivia na Calçada das Necessidades – aqui misturando simbolismo com ironia. Dela, ficaram fotografias inolvidáveis, como a de grupo de notáveis da Emissora Nacional (Domingos Lança Moreira, Alberto Represas, Francisco Igrejas Caeiro, entre outros, com ela de mão dada ao marido) e de outra, do casal, e que já reproduzi aqui (cerca de 1945 e pertença do espólio da RTP).

Fichas radiofónicas (5, 3ª parte) – Locutoras

[ainda a partir de entrevistas feitas por Luís Garlito]

Maria Júlia Guerra: “No princípio de 59, um colega que tinha ficado aprovado nesse mesmo concurso, chamava-se João Pedro Baptista, ele é ainda o produtor de um programa que está no ar, convidou-me para eu dar a voz ao programa que eu vou dizer o nome: Quando o Telefone Toca. Que se gravava na Rádio Renascença. […] aquilo não era nada, não me dizia nada. Mas sempre pensei desta maneira: aceitar as oportunidades, isto profissionalmente, e chegar a conclusões. […] Quando entrei para a Rádio Renascença, para o Quando o Telefone Toca, foi na altura que a Renascença começou a trabalhar também durante a tarde. Só abria um pouco de manhã e ao final da tarde. Começou o programa O Diário do Ar do Paulo Cardoso e era necessária uma locutora para estar de serviço nesse tempo. Então eu tive de fazer novo concurso na Rádio Renascença. Lembro-me que todos os textos me foram dados pelo Henrique Mendes, que, na altura, era uma vedeta da rádio e da televisão. Fiquei aí e fui aprovada e fiquei lá cinco anos e sete meses a fazer variadíssimos programas. Foi uma escola muito boa”.

Ida Maria: “aconteceu pura e simplesmente porque sabe-se que eu percebia um pouco de futebol e Helder Sobral na altura era chefe do departamento desportivo. Ouviu falar disso, convidou-me. Tive muito pouco tempo de treino porque teve todos os avales e avançou comigo a toda a velocidade. E eu, de facto, quando me convidaram achei que era a altura ideal porque era meter uma mulher essencialmente num meio que era masculino. […] Foi o Sporting-Académica em Alvalade. Não saiu muito mal. Eu já tinha um certo calo, perdõem-me a expressão, mas é uma expressão radiofónica no assunto. Depois, daí, sim, é que houve alguns em que me atrapalhei. Mesmo sem fazer o relato se não bocadinhos. Agora havia coisas que me saíam sempre bem que eram as intervenções do campo ou o comentário porque, de facto, eu sei um bocado de futebol”.

Natália Bispo: “Já namorávamos [ela com Humberto Mergulhão]. Tinha um contrato em Benguela. Era o chefe de produção do Rádio Clube de Benguela. Não havia vaga para mim, mas como eu também nunca quis depender de ninguém e só vivia mediante aquilo que eu ganhava, porque eu fazia questão disso, desde rapariga, desde jovem. Aceitei o convite do Aires Teixeira, então diretor do Rádio Clube de Moçambique, onde me pagaram as passagens, etc. Estive lá uns meses. Entretanto, acontece uma vaga no Rádio Clube de Benguela. E então eu fui para o Rádio Clube de Benguela. Indemnizei o Rádio Clube de Moçambique de todas as despesas que fizeram comigo, meti-me num avião e fui para Benguela” [parte da vida profissional de Natália Bispo foi, depois, a partir de 1964, na Emissora Nacional].

Lily Santos Frias: “Quando eu ia a qualquer lado, faziam-me andar. Eu até gostava… porque tinha tanta popularidade nessa altura [interpretou o papel da coxinha no folhetim A Força do Destino em Rádio Graça]. Faziam-me andar que era para ver se eu realmente era coxa. Como é que se fazia? Isso punha-se uma madeira mais alta e outra mais baixa no estrado e eu ia andando e aquilo ia para baixo e para cima e ouvia-se tac-tac-tac. […] Eu casei na igreja de S. Vicente [já na vida real, com Octávio Frias, sonoplasta da estação]. Eu ia a descer a rua da Verónica e comecei a ouvir… parecia assim um barulho de moscas. Um zumbido. Disse. “mas que é isso”? O meu pai não meteu a polícia, porque nunca pensou […]. Aquela gente veio a saber e então, quando eu cheguei, eram pessoas em cima das árvores, em cima dos telhados. Tudo. Estava lá muita gente. E o chefe de cerimónias, quando eu ia a entrar para o carro, aquelas pessoas vinham todas sobre mim na ideia de me cortarem um bocadinho o vestido para ficarem com ele. O chefe de cerimónias vai puxar a porta com toda a força, mas esqueceu-se lá do dedo”.

Imagens: Maria Júlia Guerra (Nova Antena, 17 de outubro de 1969),Ida Maria (e Galiano Pinheiro, Flama, data que não consigo identificar) Natália Bispo (anúncio de programa de variedades, Jornal de Notícias, 18 de fevereiro de 1950), Ricardo Isidro, o médico da “coxinha do Tide” (na falta de imagens de Lily Santos, o seu parceiro no folhetim, Plateia, 21 de janeiro de 1969)

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search