Mais dados sobre as rádios locais

Os problemas – e eventuais soluções – das rádios locais entrevistos por Alberto Arons de Carvalho já em 1995:

“Importa antes tentar limitar a tendência para a concentração e para a descaracterização das rádios locais. Não é aceitável que o sistema de incentivos para a imprensa regional não abranja as rádios locais. Repare-se que não defendemos a institucionalização dos subsídios diretos. Os descontos nas telecomunicações para as rádios com noticiários próprios, o cumprimento da portaria de 1991 sobre publicidade institucional, as linhas de crédito com juros bonificados para a reconversão dos equipamentos, a clarificação das relações entre as rádios e as autarquias, de forma a tornar transparente e sujeito a controlo das assembleias municipais” (Público, 24 de março de 1995).

Fichas radiofónicas (25) – Ilídio Inácio

Ilídio Inácio começou a sua atividade ligada à rádio em Santarém, a fazer locução de anúncios numa feira popular. Acompanhou os três primeiros anos de vida de Rádio Ribatejo. Depois, em 1953, receberia um convite para uma rádio no Porto, Rádio Clube do Norte, pertença de Adolfo Quaresma, logo depois falecido. A família Quaresma decidiu abrir as portas em termos de proprietário ao escalabitano. Ilídio Inácio tornara-se repórter, locutor e produtor.

No Porto, ele seria muito conhecido como produtor de programas desportivos (futebol e hóquei em patins) e de teatro radiofónico. Eça de Deus era o autor dessas peças.

Um locutor tinha de ser “um profissional fora de série, com bastante cultura e bem informado acerca dos problemas mundiais”, além de conhecer a música pop e o desporto. No seu entender, deveria existir uma escola de rádio, para formar assistentes de produção, técnicos e locutores. A realidade do Porto era distinta de Lisboa, com esta cidade já servida pelos cursos do SNI e da Rádio Universidade. Em Rádio Clube do Norte, Alberto Mendonça fazia a seleção e orientação de programas. Mário Taborda tinha programas conhecidos, casos de “Romance” e “A Medicina e o Desporto”. Uma nota – um programa de Carlos Porto, Divulgação”, estava suspenso. Na verdade, ele estava proibido. Divulgação era também o nome de uma livraria que serviu bem a oposição política ao Estado Novo.

Empreendedor, Ilídio Inácio possuía um estúdio particular onde trabalhava com o técnico Alberto Mendonça e dois locutores, na rua Júlio Dinis, então uma das avenidas novas do Porto, com as suas lojas e cafés muito conceituados e zona de escritórios de empresas, depois continuada com a inauguração de um dos mais emblemáticos centros comerciais da cidade e do país, Brasília.

Da união da rádio e do jornalismo, ele defenderia a linha direta entre o “Jornal de Notícias” e a cabina da rádio, aludindo até a um projeto de ida das rádios para o andar superior do edifício do jornal. “Gostaria também de ver noticiários curtos que mantivessem o ouvinte atento durante todo o dia”. Além do Jornal de Notícias, Ilídio Inácio mantinha uma relação estreita com o Norte Desportivo, feito nas instalações de outro importante jornal da cidade, O Primeiro de Janeiro, na rua de Santa Catarina. Sobre o movimento de renovação da música portuguesa, com valorização da balada, ele mostraria gostos clássicos. “No setor balada caminhamos para a saturação”, com música boa e música má. Como a juventude gostava de música anglo-saxónica, ele via-se obrigado a passar música em inglês.

Ilídio Inácio preconizava a reunião dos Emissores do Norte Reunidos, então divididos por diversas estações, o que permitiria melhorar a qualidade dos programas. Na verdade, pouco mais de dois anos depois, a Emissora Nacional compraria aquelas estações, que perderiam os nomes tradicionais, e Ilídio Inácio desenvolveu a sua atividade de produtor independente, criando a empresa Quadrante Norte. Após a nacionalização da rádio, em dezembro de 1975, ele forneceria serviços, com novo estúdio na Senhora da Hora, para Rádio Comercial Norte e Rádio Renascença, incluindo relatos desportivos.

Nova Antena, 31 de outubro de 1969

Fichas radiofónicas (24) – promover os discos

Em finais de 1969, Arnaldo Trindade organizava a I Convenção Internacional do Disco, em Ofir. Era uma forma moderna de promover a indústria fonográfica, juntando produtores, vendedores e artistas. Arnaldo Trindade apresentaria ainda o seu catálogo de oiro, como escreveu o colunista e radialista, para os interessados nas compras de Natal.

Gravado em sete pistas, para não se perder um átomo de fidelidade, os quatro membros do Pop Five Music Incorporated lançavam a música Page One, já conhecida como genérico do programa de Rádio Renascença, e a apresentar na segunda edição da convenção internacional do disco. Repito a ideia de não se perder um átomo de fidelidade.

(Nova Antena, 5 de dezembro de 1969, Jornal de Notícias, 5 de abril de 1970)

Estudo sobre rádios locais

Repesquei agora um estudo que fiz em 2008 sobre as rádios locais – e contribuo para a discussão estabelecida a semana passada sobre os apoios financeiros do Estado aos media, para reduzir efeitos económicos provocados pela pandemia.

A meio da década inicial do século XXI, o preço médio do anúncio publicitário, base de financiamento das rádios, a partir de valores de tabela, era 198 euros numa rádio nacional e 15 euros numa rádio local. Entre 1999 e 2000, o total dos investimentos publicitários subiu ligeiramente (3%), mas baixou, depois, em cerca de 20%, recuperando ligeiramente em 2004 (entrevista pessoal com presidente da Associação Portuguesa de Radiodifusão, 2005). Com taxas de desconto a ir até aos 80% nas rádios nacionais e 60% nas rádios locais, os valores reais seriam de 40 euros em rádio nacional e seis euros em rádio local (aqui, poderia descer mesmo aos três euros) (Change Partners e Escola Superior de Comunicação Social, estudo para a ERC “Caracterização do Sector da Radiodifusão Local”, 2009: 126), acarretando problemas de solvência – e críticas à falta de apoios do Estado (subsídios, publicidade institucional).

O mercado publicitário nacional seria incapaz de viabilizar todos os projetos de rádio então existentes (fixemo-nos em 354), evidenciado em concelhos de baixa densidade populacional. Por exemplo, durante anos, houve frequências livres em Portalegre, por ausência de propostas. Poucas rádios formaram associações ou tentaram fundir projetos, preferindo políticas de rivalidades locais. A falta de economia de escala identificava-se nas queixas das rádios locais. A fraca estruturação organizacional notava-se na faturação e no número de colaboradores. Com poucos quadros (programadores, jornalistas), a programação era má e indiferenciada. Houve mesmo mimetismo na programação entre rádios nacionais, como Rádio Comercial, e rádios locais, caso das playlists.

Encontro uma última justificação: o modelo da rádio livre era amador e com ausência de preocupações fiscais, por não pagamento de encargos com Segurança Social, Finanças (IRC) e Sociedade Portuguesa de Autores, entre outras. Com a legalização em 1989, cada rádio viu-se obrigada a prover esses impostos.

Por isso, não me parecem muito justas algumas reclamações que fui lendo ao longo da semana. Os problemas surgiram logo no ninho fundador.

Santos, Rogério (2008). “Rádios Locais em Portugal, 2000-2004”. In Manuel Pinto e Sandra Marinho (org.) Os Media em Portugal nos Primeiros Cinco Anos do Século XXI. Porto, Portugal: Campo das Letras, pp. 84-90 (disponível em http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/41092)

Fichas radiofónicas (23) – processos de gravação

De modo simples: gravar um som foi muito mais difícil do que reproduzir imagens. Edison construiu equipamentos iniciais, de onde surgiriam uns discos em cilindro, muito frágeis. Depois, foi o disco plano, como se vê nas três primeiras imagens. O registo em fita magnética remonta aos anos da II Guerra Mundial, sistema que se manteve atual durante longas décadas, como ilustro nas duas últimas imagens.

Hoje, com a digitalização, é tudo mais fácil. Até com um telemóvel se pode gravar e montar sons!

Imagens: gravação de disco (arquivo RTP); Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973), instalação de registo em disco; disco da Ideal Rádio, 1951, em 78 rotações por minuto, Nas Voltinhas do Marão, de Maria Luiza; Fernando Pires (sonoplasta de teatro radiofónico) (Nova Antena, 3 de outubro de 1969); Moreno Pinto (Flama, 6 de novembro de 1964).

Comentário de Fernando Rocha: ” na Ideal Rádio, Júlio Silva gravava discos a que chamávamos acetatos, porque eram placas redondas de alumínio fino banhadas, de ambos os lados, por um acetato no qual um estiltete, no extremo de um braço (tipo pick-up), colocado no disco em movimento abria um sulco donde ia saindo um fiozinho que, com uma pequena escova, íamos procurando enrolar no eixo central em que o disco era enfiado, para o fiozinho não interferir com o movimento desse braço. A isto podia chamar-se, mesmo, e com propriedade, gravação”.

Fichas radiofónicas (22) – Rainhas da Rádio

Um dos mais engenhosos concursos de rádio teve lugar em revistas, como Flama, Plateia e Rádio & Televisão. Havia exemplos vindos dos Estados Unidos e no Brasil. Tirando Júlia Barroso e Maria Lurdes Resende, a maior disputa foi entre Simone de Oliveira, a impetuosa, e Madalena Iglésias, a aprumada (adjetivos meus😎).

A década de 1960, com a concorrência da televisão, deu muito gás ao concurso. Deixo capas [tenho estas apenas a preto e branco] ou páginas de revistas com imagens de rainhas. Em cada número da Flama, vinha a contabilidade dos votos em cada uma das candidatas. Os votos vinham impressos na revista, com o comprador e leitor a eleger a sua eleita através do envio do voto para a revista. Houve suspeitas de alterar votos (compra), como se fosse um cartel. Mas tudo foi muito discreto, porque o regime político não permitia, e porque provavelmente não passou de boato. A este ingrediente, junto o do possível namoro entre Iglésias e António Calvário, o rei da rádio, história a destroçar muitos corações.

(Flama, 22 de junho de 1951 e 15 de julho de 1960, Rádio & Televisão, 20 de junho e 18 de dezembro de 1964 e 27 de janeiro de 1967)

Nacional-cançonetismo

O nacional-cançonetismo teria começado neste artigo (Diário de Lisboa, 19 de julho de 1969). Aprecio particularmente as referências ao industrial do espetáculo Marques Vidal, na linha dos Companheiros da Alegria e do Maria Pereira Show. Como era bom este cronista de A Mosca! A designação não seria do cronista mas do coordenador do suplemento.

E quando o mesmo cronista fazia, décadas depois, a revista de imprensa na manhã da Antena 1? Soberbo. Além de tudo, gostava muito das suas sugestões gastronómicas😎.

Amália Rodrigues (1920-1999)

Amália a Grande em três momentos em espetáculos no Porto, com a rádio como fundo.

Início da década de 1950. Campanha pró-estádio Futebol Clube do Porto (inaugurado a 28 de maio de 1952). Da esquerda para a direita: Júlio Silva (dono, locutor da ideal Rádio e diretor do FCP), Fernando Rocha (locutor de rádio), Domingos Camarinha (guitarra), Amália Rodrigues, Santos Moreira (viola), Domingos Parker (empresário) e Carlos Silva (locutor de rádio) (gentileza de Fernando Rocha).

Jornal de Notícias, 24 de novembro de 1954 e 2 de setembro de 1955

Fichas radiofónicas (21) – Rádio Clube de Monsanto

Originalmente publicado em https://industrias-culturais.blogspot.com/…/…/blog-post.html a 12 de setembro de 2010

O livro 25 Anos Consigo. História duma Rádio de Proximidade (2010) indica a data de 8 de junho de 1985 como o começo das emissões de Rádio Clube de Monsanto. A alma do projeto foi e é Joaquim Manuel da Fonseca, professor do ensino secundário e antigo colaborador da Rádio Altitude. O primeiro emissor foi construído pelo radioamador CT1BJS, Reinaldo Pedro Ramos Serra.

Em carta dirigida ao presidente da câmara municipal de Idanha-a-Nova, a que Monsanto pertence, Joaquim Fonseca informava das emissões experimentais nesse dia e no dia seguinte, afirmando haver regularidade de emissões a partir de Agosto seguinte com um emissor a funcionar nos 102,5 MHz, ligado à Casa do Povo de Monsanto. Como se pode ler no volumoso livro sobre a história da estação, uma carta dos CTT (3 de dezembro de 1985) respondia não poder autorizar a montagem do emissor, dada a ausência de legislação sobre o assunto (radiodifusão), motivo de grande discussão nesse período. Os CTT enviariam o pedido para a Secretaria de Estado da Comunicação Social. No começo de 1986, a estação apetrechava-se tecnicamente, nomeadamente a modificação do emissor de 2 para 20 watts e a instalação de uma torre de 15 metros, num total de mais de 370 mil escudos, valor muito elevado na época.

Em abril de 1987, Joaquim Fonseca e diversos amigos fundavam uma cooperativa para consolidar o projeto da rádio e o ideal da promoção social e cultural da região. Um testemunho publicado no livro menciona o valor de oito mil contos o total do investimento na rádio naquela altura. Outro testemunho assinala a estrutura da programação: gravações com contos, versos, vozes e instrumentistas da região.

Da correspondência inserida no livro, sabe-se que a rádio encerrou em 24 de dezembro de 1988, a exemplo de todas as rádios livres. Muitas vozes locais pugnaram pela reabertura, invocando a utilidade pública da estação como principal razão para a sua manutenção, como o presidente da câmara de Idanha-a-Nova e o ator e autor Fernando Curado Ribeiro. As páginas 87 e seguintes do livro historiam os atos mais importantes da emissora entre 1985 e 1988.

Com data de 24 de maio de 1989, Joaquim Fonseca anunciava a abertura de um novo emissor, em 98,7 MHz, a funcionar entre as 15:00 e as 24:00, já perfeitamente legalizado. Seguir-se-ia uma angariação de novos sócios para apoiar a iniciativa. A potência do emissor seria de 26 watts. O alvará da Direcção-Geral da Comunicação Social aprovava a emissora desde que esta não emitisse acima de duas horas de publicidade.

[imagens retiradas do livro]

CDC no Chiado

CDC (programa Clube das Donas de Casa) no Chiado. Foi um programa em direto a partir da montra da discoteca Universal à rua do Carmo. A miss Portugal Ana Maria Lucas e outras jovens desfilaram modelos de roupa. O programa era de Maria João Aguiar e Henrique Mendes, em Rádio Clube Português (Diário Popular, 15 de maio de 1970). Foi há cinquenta anos feitos a semana passada.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search