Emissões em língua portuguesa na BBC (II Guerra Mundial)

BBC – A Voz de Londres Fala e o Mundo Acredita (Mundo Gráfico, 30 de setembro de 1942). Duas pequenas notas: ao microfone das emissões em português, destaco as vozes de Fernando Pessa e António Pedro (também pintor e diretor e encenador do Teatro Experimental do Porto); a revista “Mundo Gráfico” era marcadamente identificada com os aliados.

Mário Rocha

Mário Rocha (1931-1968) estudou violoncelo em Rádio Clube Infantil (programa de rádio e espaço de formação musical), sendo aluno de Maria Fernanda Resende Dias, a irmã mais nova do maestro e compositor Resende Dias (e do pintor Júlio Resende). Integrou a Orquestra Infanto-Juvenil que se apresentava anualmente em público. Nos espetáculos, havia também danças, intermédios cómicos e canções. Mário Rocha distinguia-se pela sua voz.

Adolescentes, ele e Fernando Rocha começaram a frequentar a Ideal Rádio, estação popular onde se tornou famosa a Voz dos Ridículos, programa de humor. Os irmãos Rocha seriam apresentados por colega da escola primária, Avelino Azevedo, a Júlio Silva, seu vizinho e dono de loja de eletrodomésticos e dessa estação de rádio. Os dois irmãos foram aí locutores e atores. Depois, em Rádio Clube do Norte, Mário Rocha fez locução e Fernando Rochafolhetins radiofónicos, a convite de Ilídio Inácio. Logo que concluiu o curso de Engenharia Eletrotécnica (Instituto Industrial do Porto), Mário Rocha trocou a rádio por profissão apropriada.

Nas imagens, os dois irmãos Rocha e convite de espetáculo no casino da Póvoa de Varzim, onde se apresentariam os irmãos e um elenco grande da orquestra infantil do Porto, dirigida por Emília Resende, em 1942.

[arquivo de Fernando Rocha, a quem agradeço]

Comentário de Fernando Rocha: “A Orquestra do Rádio Clube Infantil era preparada pela professora Emília Resende e suas duas filhas, Maria Emília e Maria Fernanda. Mas os ensaios finais e os concertos tinham como maestro o filho António Resende Dias, que nos palcos se apresentava sempre de casaca”.

Discos proibidos

As datas de proibição de faixas de discos na Emissora Nacional são de 26 de junho e 20 de novembro de 1973.

Na perspetiva dos censores do Estado Novo, compreendo a proibição de tocar “Pergunto ao Vento que Passa”, de João Ferreira Rosa (1937-2017). O poema de Manuel Alegre “Trova do Vento que Passa” começa por “Pergunto ao vento que passa / Notícias do meu país / E o vento cala a desgraça / O vento nada me diz”. Também compreendo a proibição da canção de Antónia Tonicha, “Balada da Rotina Diária”, porque ela declama contra a energia nuclear e a fome no Biafra. Além da poesia de Manuel Alegre, cuja voz contra o regime vinha desde Argel, a referência à guerra do Ultramar (colónias) estava ali perto, pensaram os censores. Ou o lote de canções proibidas de Hugo Maia Loureiro ou Georges Brassens.

Agora proibir Artur Garcia? Ou “Espreita”, do conjunto típico Costa d’Ouro? Não eram as vozes que os censores da Emissora Nacional (ou com ordens recebidas da PIDE) criticavam, mas eram as letras. No caso de Garcia talvez a estrofe “barco parado não tem razão de ser” da letra de Jerónimo Bragança tenha levantado dúvidas, ele que foi sempre um fiel servidor da Emissora Nacional. E o conjunto típico devia cantar um poema com brejeirices, como Quim Barreiros fez depois.

Maria Júlia Guerra

“Ao segundo sinal serão onze horas, seis minutos e dez segundos” (“Diário Popular”, 29 de março de 1973). A voz de Maria Leonor Magro era substituída pela de Maria Julia Guerra. A “voz pousada e bem articulada” da locutora da Emissora Nacional fora escolhida para o novo sistema de informação horária dos Telefones de Lisboa e Porto.

Comentários:

José Espadinha Caeiro: “O meu pai trabalhava nesta altura na central da Graça em Lisboa. Lembro-me tanto do sistema antigo como do novo pois acompanhava o meu pai em alguns fins de semana em que ele trabalhava. O sistema antigo dava 3 sinais para a hora e depois de este novo entrar ao serviço ficou a funcionar para os CTT. O antigo era totalmente mecânico e tinha 3 tambores de vinil com leitura ótica (horas, minutos e segundos), o novo era composto por duas unidades, principal e de reserva, que tinhas discos (tipo LP) banhados a ouro e com três braços, um para a hora, outro para os minutos e outro para os segundos”.

José Navarro de Andrade:A Maria Leonor vangloriava-se de ter gravado o sinal horário numa take seguida”.

Maria Julia Guerra:A minha muito saudosa colega Maria Leonor foi a Londres fazer a gravação. O novo sistema era alemão e foi gravado no nosso país pelo técnico da ex-EN Alberto Nunes e pela então jovem da foto que o Rogério Santos incluiu”.

Carlos Fernandes: “gravado na Musicorde do Alberto Nunes”.

 

Rui Castelar e “A Noite é Nossa”

“Talvez você não saiba que o locutor-produtor Rui Castelar [Ruy Castelar] regressou dos Estados Unidos, onde se apresentou na estação WNBH de New Bedford, tendo recebido proposta para no próximo ano tomar parte em vários programas da estação de televisão WTEV (Canal 6)” (Diário Popular, 19 de agosto de 1968).

Rui Castelar foi o produtor do programa A Noite é Nossa (Rádio Clube Português, 1968-1975, 03:00-06:00), com música da boîte Porão das Naus, noticiários, reportagens e entrevistas sobre espetáculos, comentários a discos nacionais e estrangeiros mais vendidos.

Rádio Clube Infantil

Fernando Rocha tem sido incansável em me falar das memórias da rádio e da cultura do Porto na época em que a radiodifusão alargava domínios. Hoje, escrevo sobre o seu irmão Armandino Rocha (1934-2009), colega de liceu de Arnaldo Trindade. Os irmãos Rocha colaboraram com Rádio Clube Infantil, que não era uma estação de rádio mas fornecia programas infantis de rádio.

Na fotografia, Armandino Rocha canta em festa um dueto de ópera com Lili (Elisa) Ferrão, filha do dono da loja de bicicletas Casa Ferrão, que existiu na Rua Conde Vizela. As atividades dos irmãos Rocha começaram com festas nos Fenianos Portuenses, pensadas e organizadas pela família Resende Dias que morava na Travessa Sá Noronha. Aqui, funcionava uma escola de música, ensaiava-se a orquestra infanto-juvenil e preparavam-se os programas semanais de rádio e espetáculos anuais em teatro. Há igualmente notícia de uma representação como sinaleiro (e onde Mário, outro irmão Rocha, representou e cantou, além de Fernando). Armandino Rocha, que não participou mais na rádio, foi docente na Universidade do Minho e na Universidade Lusíada e doou a sua biblioteca a esta universidade, instalada em Famalicão numa sala com o seu nome.

Rádio Con:Vida

Programa da conferência internacional Rádio Con:Vida atualizado (ver http://radioconvida.web.ua.pt/). De 1 a 3 de julho de 2019. A conferência e a exposição irão acontecer na Fábrica de Ciência Viva de Aveiro, em rua próxima da entrada norte do campus da Universidade de Aveiro (rua dos Santos Mártires, 1A). Retiro da página da conferência internacional a seguinte explicação:

“A rádio é aqui entendida como um espaço de arquivo, de partilha, de trânsitos, de sociabilidades e de afetos. Como mediadora na comunicação, ela adquire sentidos múltiplos para os indivíduos que com ela convivem sejam eles produtores, técnicos, músicos, arquivistas, museólogos, investigadores e, sobretudo, ouvintes. No caso do evento rádio con:vida todas as ações, sejam elas expositivas ou de debate, estão focalizadas para a importância da rádio como arquivo, da música no arquivo da rádio e, em especial, para o seu papel nos itinerários globais das rádios em língua portuguesa”.

Rádio Delírio

Informação na Rádio Delírio (Porto) em 5 de julho de 1987. Não foi possível identificar a voz feminina. Para ouvir, clicar no ícone Soundcloud.

Gentileza de Jose Antonio Martins, que permitiu reproduzir o som do programa. Rádio Delírio foi uma estação no tempo das rádios livres e emitiu entre 1985 e 1988. Tem uma página no Facebook: https://www.facebook.com/groups/123128768282632/.

José António Martins está a fazer um trabalho notável de arqueologia radiofónica – se a expressão existe -, publicando sons de rádio da Rádio Delírio e de outras estações da época, a possibilitar o estudo e a reconstituição dessas novas estéticas radiofónicas.

Enquanto a Noite Passa

Os Emissores do Norte Reunidos (Porto) alargariam a sua emissão noturna no verão de 1965, com êxitos em disco e entrevistas e conversas, juntando um conjunto apreciável de colaboradores (Jornal de Notícias, 29 de julho de 1965). Até aí o programa ia até às 2:00, com Última Hora, de Carlos Silva. Infelizmente, o novo programa não duraria muito tempo e o grupo de rádio voltaria a encerrar às 2:00 e reabrir às 6:00.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search