Verdinho, verdinho

Da longa e fértil memória de Fernando Rocha, profissional a quem continuo a agradecer os seus contributos, escreve-se hoje sobre a cantiga “Ai Verdinho, meu Verdinho”, muito popularizada desde a década de 1950 e ainda hoje na memória coletiva nacional, muito graças à rádio. No Porto, não havia ainda um estúdio de gravação, com a primeira fase (master) do disco a decorrer no palco do teatro de S. João, cerca da meia-noite, depois da sessão de cinema, com o pano de boca de cena descido. A iniciativa foi da Rádio Triunfo, um disco de 78 rpm da etiqueta Melodia.

Além do trecho citado, constava outro com o título “Milho Rei”, cantados por António Claro, que atuava em espetáculos e era solista em coros de igreja. Ele era responsável pela loja Oliva (máquinas de costura e tricot), na rua 31 de Janeiro (então rua de Santo António), empresa que promovia festas, com canções e fados no encerramento dos seus cursos, em localidades onde tinha representantes, sendo Fernando Rocha o locutor-apresentador. Este participaria da gravação referida, fazendo a segunda voz nos estribilhos. O acompanhamento instrumental (quatro a cinco elementos) era do conjunto de João Calvário (acordeão/saxofone), pai de José Calvário, depois pianista, compositor e maestro.

Quando o disco foi editado, Fernando Rocha não conhecia pessoalmente nenhum dos autores do seu conteúdo. A letra pertencia a Aizul. Filha de mãe brasileira e pai português, Aizul (pseudónimo de Zita Leão), acabou por se radicar em Portugal, vivendo muitos anos no Porto, onde desenvolveu toda a sua atividade literária, especialmente como poetisa. O trecho em causa pertence a um livro de poemas, com o mesmo título, publicado em 1963. Ela foi contemporânea de Marta Mesquita da Câmara, Alice Azevedo Constant, Aurora Jardim, Amélia Vilar e Ludovina Frias de Matos, elementos femininos da intelectualidade portuense da época. Zita Leão esteve ligada à Fundação Júlio Resende/Lugar do Desenho-Valbom, inaugurada em 1997. Publicou mais de 20 títulos (poesia e contos), participou em saraus e em tertúlias culturais que, nos anos de 1960, se formavam em alguns cafés da baixa portuense. Faleceu em 2013.

A música pertencia a Manuel Marques, artista dotado de fina intuição, destreza na execução e sensibilidade na composição, qualidades favorecidas por uma boa formação musical. Diziam que era o mago das doze cordas. Nascido na Maia, a sua primeira apresentação dera-se quando ele tinha 13 anos, iniciando depois estudos de harmonia, contraponto e composição. Aos 20 anos, escrevia as primeiras partituras, estreando-se na rádio (Rádio Clube do Norte e Rádio Renascença). Em 1947, percorreu o sul de Portugal, como solista de guitarra, tocando também em Espanha. Em 1955, foi para o Brasil e, em São Paulo, começou logo a destacar-se na rádio e na televisão. Dois anos depois, a sua orquestra de guitarras estreou-se na Rádio Record, naquela cidade. Ele escreveria a música para a telenovela da TV Record, “As pupilas do Senhor Reitor”. Foi um dos pioneiros do ensino de guitarra portuguesa no Brasil. Morreu em junho de 2018.

Ver entrevista com Manuel Marques em https://www.youtube.com/watch?v=HWLvGqyzKXE.


Um comentário em “Verdinho, verdinho”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search