Rádio Clube Português 2

A rádio é, ainda hoje, o melhor meio de comunicação. Nem a televisão nem a internet, através das redes sociais, dão tanta alegria e informação exata e sucinta que a rádio. A televisão prolonga artificialmente o tempo dos noticiários para dar a sensação de atualidade; na internet, muitas vezes, o ódio de quem escreve distorce a realidade e leva a notícias falsas e amplia teorias da conspiração.

Mas a rádio vive na realidade e reflete a vida social e política; logo, também participa e engaja-se nos acontecimentos. Dou dois exemplos marcantes de Rádio Clube Português, a comemorar agora 90 anos que começou a emitir. O primeiro exemplo foi a adesão de Jorge Botelho Moniz, um dos patrões da estação, à fação de Francisco Franco na guerra civil de Espanha (1936-1939). Tão tendencioso nunca deu notícias do lado republicano e no poder legalmente. Botelho Moniz foi o obreiro dos Viriatos, voluntários portugueses que lutaram ao lado de Franco. Ele mesmo acompanhou as tropas falangistas e fez reportagens regulares para o “Diário de Lisboa”, assinando-se pelo nome e, depois, por XYZ.

No golpe de Estado que acabou com o regime do Estado Novo, em 25 de abril de 1974, Rádio Clube Português terá sido a estação mais ao lado dos revoltosos. Primeiro, porque a sua localização geográfica era útil aos militares revolucionários; depois, porque os locutores aderiram rapidamente ao movimento militar e leram os comunicados das Forças Armadas. De tal modo, a estação passou-se a intitular-se a rádio da liberdade.

Recortes: Diário de Lisboa, 11 de dezembro de 1936, 18 de janeiro de 1938; Diário Popular, 25 de abril de 1974, 25 de maio de 1974; capa de livro de José Matos Maia.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search