Textos de João Manuel Alves (ainda não editados aqui)

De Joao Manuel Alves | Facebook:

Rádio ComercialUm som novo na RDPNa Primavera de 1979, tendo em vista a sua futura privatização, o governo Mota Pinto, decidiu retirar os programas 3 e 4 da RDP, resultantes ainda do processo de nacionalização da Rádo em Portugal, e que contavam com as frequências do antigo Rádio Clube Português, sendo o programa 3 em Onda Média e o 4 E FM. Ao retirar os programas 3 e 4 do baralho da RDP foi constituída uma nova empresa, cujo capital era detido pela RDP, a Rádio Comercial que começou a emitir na Primavera de 1979.Escolhido para liderar o projecto, O João Davd Nunes, convidou-me para integrar a equipa que iria dar início ao mesmo ficando eu, sob direcção do FM do Jorge Dias, um senhor, dotado de uma voz fabulosa, e no trato com os subordinados e colegas.Eu, que andava a “bezerrar” pela onda curta aceitei o desafio e mudei-me para a rua Sampaio e Pina, onde ainda hoje funciona a privatizada Rádio Comercial.Fiz o programa da manhã com o José Freire ( já falecido ) ao longo dos dois anos em que lá estive.Conheci, então de perto, as grandes vozes da Rádio em Portugal. O Fernando Quinas, o Ruy Morrison, são apenas alguns exemplos.Confesso que do ponto de vista pessoal não me foi fácil a adaptação a um modelo de rádio totalmente diferente do que tinha feito até então.Mas acabou por ser uma experiência muito enriquecedora porque pude, também, aprender muito com o Jorge Dias, que ia pacientemente, corrigindo alguns tiques de rádio pública que trazia comigo e eram divergentes do espirito da Comercial.Desse período guardo como momento alto um telefonema que recebi, no final de uma emissão, do José Nuno Martins – um dos “monstros da rádio de então” – dando -me os parabéns por um programa que tinha acabado de fazer com o historiador e professor da Faculdade de Letras, Vitor Wladimiro, sobre a figura de Manuel Teixeira Gomes, o mais literato de todos os Presidentes da República de Portugal. Fiquei, confesso humildemente, “inchado”.Pouco tempo depois, regressaria à Antena Um para outros projectos.

O “fim” do ContrapontoProença de Carvalho – figura sinistraA RDP, desde que nasceu, andou – e anda – aos sabores dos poderes políticos que se foram alternando em Portugal.Em 1978, o General Ramalho Eanes, tentando evitar eleições antecipadas por causa da queda do Governo de Mários Soares, vítima de uma moção de censura aprovada no Parlamento, ecolheu a via dos chamados governos de iniciativa presidencial. Primeiro com Nobre da Costa, cujo porgrama de governo não foi aprovado pelo Parlamento, depois com Mota Pinto que agabaria por ser “entronizado como Primeiro-Ministro. Com ele trouxe essa figura de perfil sinistro chamada Proença de Carvalho para tutelar a Comunicaçãoi Social o que, na prática, queria dizer: tutelar a RDP e a RTP.O Igrejas Caeiro levou um “chuto no cú, do cargo de director de programas, sendo substituido, provisoriamente, pelo João David Nunes.Eu estava integrado na redacção do contraponto liderada pelo José Manuel Nunes. Era um programa diário de informação que incomodava porque tratava de forma desassombrada e livre a actualidade portuguesa.Com Proença de Carvalho aparece uma nova administração cujo primeiro acto foi o de acabar com o contraponto com base numa reportagem que tínhamos feito a propósito de uma greve detrabalhadores agrícolas.A notícia do fim do programa foi-nos dada no final do dia com a indicação que nessa noite não iria para o ar.O José Manuel Nunes foi despedido, porque estava de contrato a prazo, e eu e os meus colegas fomos chutados para a onda curta (castigo normal para os que se “portavam mal”) e outros para o Programa 2 – de música clássica.Chegou ao final um dos melhores produtos que a RDP tinha para oferecer aos seus ouvintes. Proença de Carvalho cumpriu com o que lhe tinha sido dado como trabalho sujo para fazer. Durante os 14 anos em que lá trabalhei nunca foi tão grande a instabilidade da estação tendo chegado ao ponto de ter sido a única vez em que, durante alguns meses, recebemos os ordenados com várias semanas de atraso…

https://sites.google.com/view/ocantodassereias/estórias/emissora-nacionalrdp?authuser=0&fbclid=IwAR3QQijZDpo687ndaXMf8R1VQ-parjwPUdkvb8jilZGcKcVByfZawH8-nBk

Trabalhar na RDP nos anos 70 e 80

Não era fácil

Para um produtor, realizador de Rádio, trabalhar na RDP nos anos 70 e 80 não era fácil.

A dada altura aceitei um convite do Henrique Mendes para fazer um programa, aos Domingos de Manhã, na Renascença,

Quando soube, o Dr. Oliveira Pires, Director de Programas na altura, perguntou-me porquê: a minha resposta explica o “não era fácil” do subtitulo.

Disse eu, então, ao Dr Oliveira Pires: Dr, se por suposto eu soubesse que Jesus voltaria à terra dali a 3 dias e que já tinha acertado com S.Pedro uma entrevista exclusiva, teria de seguir os padrões (regras em vigor). ou seja. Apresentar uma proposta por escrito ao Realizador principal que, achando boa ideia, assinava e faria seguir a proposta para o Chefe de Departamento. Se este achasse que era uma boa ideia, faria seguir a proposta para o Director de Programas.

Só para situar a proposta circulava entre estas pessoas naqueles livrinhos chamados de “protocolo” capinha preta.

Voltando ao assunto. Se o Director de Programas estivesse de acordo a proposta iria parar à secretaria, chefiada pelo Eurico Santa Clara, que a enviava para a Direcção de Pessoal no edifício das Amoreriras. Este, devidamente infomado de onde eu iria estar durante aqueles dias, rubricava e enviava o mesmo para a Direcção Financeira, na Rua do Castilho a ver se havia cabimento orçamental para pagar as deslocações. Houvesse dinheiro em caixa, o papel seguia para o Conselho de Administração para aprovação final. Depois deste percurso havia o percurso inverso que devolveria a proposta à secretária do Eurico no Quelhas 2. Mas a coisa não ficava por aí. O Eurico entregava-me a proposta acompanhada de uma requisição para eu ir buscar as ajudas de custo à Rua do Castilho. Pedia, então, uma viatura aos transportes, que ficavam na rua do Quelhas, 21 para ir comigo buscar o carcanhol e regressar ao Quelhas.

Como nenhuma reportagem era feita sem acompanhamento de um técnico e de um motorista, o Eurico requisitava os mesmos, cujos escolhidos tinham de percorrer a mesma via sacra até conseguirem chegar às ajudas de custo. Processo este que durava entre 10 a 15 dias. Ora, quando tudo estivesse tudo reunido para a viagem, o Cristo já tinha vindo e subido aos céus e eu tinha perdido a entrevista.

Expliquei mais ao Dr. Oliveira Pires uma vez que ele me tinha perguntado porque tinha aceite o convite da Renascença: se o episódio da entrevista ao Cristo, tivesse ocorrido daquele lado eu teria batido, de modo informal, na porta do Henrique Mendes. Se ele estivesse de acordo, no mesmo momento ele descia a escada e trocava duas palavras com o Eng. Magalhães Crespo que, se desse luz verde, me mandava de pronto ir buscar tudo o que era preciso à tesouraria da Renascença em frente ao edifício das Belas Artes, a 100 metros das instalações da Renascença no Chiado e, duas horas depois a equipa estaria a caminho.

Este “não ser fácil” trabalhar na RDP nos anos 70 e 80 fez com que muitas boas ideias tivessem ficado pelo caminho causando um sentimento enorme de frustração a quem tinha 24, 25 anos e adorava aquilo que fazia.

Trabalhar na RDP nos anos 70 e 80

Não era fácil – II – “O circuito das bobines”

Naqueles anos os estúdios de emissão e gabinetes de produção estavam situados na Rua do Quelhas,2. Os estúdios de gravação ficavam na Rua de S. Marçal. Cada Realizador, reponsável por um programa, tinha atribuídos horários de gravação em que se faziam a edição e a montagem dos segmentos que seriam depois emitidos nos respectivos programas. Essas gravações eram feitas em Bobine, Um pouco antes da hora da gravação o realizador pedia um carro aos Transportes no Quelhas 21 para o levar aos estúdios de São Marçal. Ali chegado dirigia-se ao gabinete que tutelava as bobines e pedia uma ou duas, as necessárias para o trabalho. A colega preenchia um formulário a confirmar que me tinham sido entregues, eu assinava em como as tinha recebido. Pegava nelas e ia para o estúdio de gravação fazer o que tinha de ser feito. Quando acabava pegava nas duas bobines e voltava à mesma colega entregando-lhes a bobine e voltando a trocar documento de entrega e recebimento. Feito isso, ligava de novo para os transportes no Quelhas 21 para que um motorista me viesse buscar para regressar ao Quelhas 2. Ao mesmo tempo, a colega que tinha ficado com as bobines chamava outra viatura para que a mesma viesse buscar as bobines e as entregasse no serviço de bobines do Quelhas.

Depois de chegar ao Quelhas ia lanchar ou almoçar para,depois, subir no elevador para ir ao serviço de bobines buscar as mesmas que tinham vindo do mesmo serviço em São Marçal.

No final do programa, depois de serem emitidas, de novo subia o elevador para as entregar e descartar-me da responsabilidade das mesmas. Suponho que a colega do Quelhas 2, voltasse a telefonar para os transportes no Quelhas 21 a solicitar uma viatura que as devolvesse a S. Marçal.

Se imaginarem que a grelhas de programação da Antena 1 – porque havia ainda a Antena 2 – tinha em média 6 programas diários podem imaginar as longas viagens, tempo, e meios as bobines de gravação envolviam.

https://sites.google.com/view/ocantodassereias/textos/saudades?authuser=0&fbclid=IwAR3cEfJ3Tx3qRl5h_QpN6gHoFEaRsyCTb50lY0JYXfzHqLpYqgqq_indmOs

Não venho ao “Canto” há alguns dias. A vida acaba sempre por ser mais, muito mais, do que a internet e tenho andado motivado por outras coisas. A meio da semana soube da morte da Manuela Arraiano. Às primeiras muitos não saberão de quem se trata. Foi uma excelente locutora do Rádio Clube de Moçambique. Fez um percurso profissional notável de que me abstenho de falar aqui. Mas nesse percurso profissional deixou uma profunda marca em milhares de ouvintes que puderam, noites a fio, todos os dias, escutar a mensagem de boa noite do Rádio Clube de Moçambique pela sua voz. Desde miúdo que fechava os olhos, à hora de fechar o rádio, para a ouvir. Era pura magia! Mais tarde tive a oportunidade de a conhecer e de ser seu colega. Sempre com um sorriso, com uma palavra amiga de ensinamento. Morreu a Manuela Arraiano. Mais uma voz que se apaga. Daqui, do meio do atlântico só me resta dizer-te: Boa Noite…Manuela!


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search