Fernando de Almeida

Na Rádio Renascença, Fernando de Almeida fez, com Dora Maria, o programa Tic-Tac. O produtor desse programa foi Tomé de Barros Queiroz. O indicativo do Tic-Tac era um relógio a fazer tiquetaque, tiquetaque, a que se seguia uma música da época. Além das emissões na cabina, Tic-Tac foi também um programa de auditório, às quintas-feiras no teatro Politeama, com orquestra dirigida pelo maestro Fernando de Carvalho. Na mesma estação, teve igualmente enorme êxito o programa Despertar às Sete e Meia. Com Maria Júlia Guerra e Fernando de Almeida, produzido por Artur Agostinho durante toda a semana das 7:30 às 8:30. Do Porto, entrava Fernando Rocha, com apontamentos.

Foi nos Emissores Associados de Lisboa que Fernando de Almeida nasceu, uma grande escola de rádio. Por lá, passaram outros locutores depois muito populares, como Artur Agostinho, Henrique Mendes, João Paulo Diniz, Armando Marques Ferreira e António Sala.

Fernando de Almeida pertenceu também à equipa dos Parodiantes de Lisboa, como sonorizador. Para cada programa, ele levava discos gravados de ruídos. Por exemplo: primeira faixa, um cavalo a passo; segunda faixa, dois cavalos a passo; terceira faixa, três cavalos a passo; quarta faixa, cavalo a trote; depois, dois cavalos a trote; um cavalo a galope. Também havia ruídos de carros, de aviões, gritos. E se não havia em disco, Fernando de Almeida fabricava. Então, havia uma orquestra famosa nos Estados Unidos, a de Spike Jones, a tocar instrumentos estranhos (badalos, sinos, foles, buzinas), que o sonorizador aproveitava para ilustrar determinadas situações. Fernando de Almeida sonorizava e João Capela gravava os sons (este interpretava ainda a personagem do Compadre Alentejano). Fernando de Almeida fazia ainda de locutor de publicidade, a par de Fernando Quinas, Helena Wolmar e Maria Eduarda Caldas. Por vezes, entravam numa ou noutra rubrica.

Obrigado a António Gomes de Almeida (Eça o Gato), pelas imagens e pelo enquadramento do texto.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Rogério Santos (13 de Março de 2021). Fernando de Almeida. HISTÓRIA DA RÁDIO EM PORTUGAL. Recuperado em 24 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/t7si


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search