A rádio em África (1)

Ainda na década de 1940, Léopoldville (atual Kinshasa) tornara-se uma cidade da moda e da elegância. As jovens usavam bainhas compridas e coloridas, costume introduzido pelas freiras nas missões. Comercializados pela Europa, os têxteis batik (tingimento em tecido artesanal) chegaram à África Central. As meninas usavam cabelo curto, mas por volta dos dez anos deixavam-no crescer. Muitos penteados africanos surgiram à época, alguns deles demorando três horas a fazer. As mulheres desempenhariam um papel fundamental na criação da nova cultura urbana. Elas controlavam o pequeno comércio, determinavam que roupas, músicas e danças estavam na moda e deram forma a um novo e moderno estilo de vida africano. Várias mulheres conseguiram conquistar posições de prestígio (a partir de David Van Reybrouck, 2010. Congo: The Epic History of a People. Nova Iorque, HarperCollins).

Uma delas foi Pauline Lisanga, contratada em 1949 como locutora da Radio Congo Belge pour Africains (RCBA) [imagem da radialista retirada da revista The Belgian Congo To-Day, julho de 1952]. A emissora começara com programas para a população africana. Lisanga tornou-se a primeira locutora negra de rádio da África. Ela fora vista a representar no palco de um teatro em Léopoldville, com perfeito domínio do francês, e rapidamente se tornou um ícone dos media associados à nova modernidade sonora do Congo. Mantendo uma estreita ligação com a música congolesa moderna (ou rumba congolesa), Pauline Lisanga também se destacou como uma das raras cantoras da época, conhecida pelas colaborações com o jazz africano de Joseph Kabasele, uma das orquestras emblemáticas de Léopoldville. A sua trajetória permite lançar luz sobre a produção de novas formas de respeitabilidade feminina, associadas à modernidade das ondas de rádio e distantes da urbanidade musical baseada na frequência a bares e associações femininas que atuam no campo da moda (a partir de Charlotte Grabli, CIRESC, Pauline Lisanga: la première voix du Congo moderne?, seminário em novembro de 2020).

Poucos congoleses possuíam um rádio, mas os transeuntes e moradores da vizinhança reuniam-se em torno de altifalantes instalados em muitos pontos da cidade, onde ouviram a voz de Lisanga, noticiários, diálogos, programas religiosos, música tradicional congolesa e música ligeira ocidental. Havia até separadores para música congolesa contemporânea. Naquela época, Léopoldville fervilhava de bandas que ofereciam entretenimento para casamentos, funerais e festas. Os seus ritmos animados, arranjos virtuosos de guitarra, vocais em falsete, linhas de música engenhosas e letras alegres tornaram irresistível essa música de dança, o rock’n’roll da África Central (a partir de David Van Reybrouck, 2010, Congo: The Epic History of a People. Nova Iorque, HarperCollins).

A música baconga penetraria facilmente em Angola, nomeadamente em Cabinda e em Luanda, pela origem cultural comum, através das deslocações individuais e da rádio ouvida. Certamente que Lurdes Van-Dúnem, os N’Gola Ritmos e os Kiezos sofreram essa influência e modernizaram a música angolana tocada nas cidades.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Rogério Santos (30 de Dezembro de 2020). A rádio em África (1). HISTÓRIA DA RÁDIO EM PORTUGAL. Recuperado em 24 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/t7rb


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search