Emissora Nacional

A biblioteca de arte da Fundação Calouste Gulbenkian (https://www.flickr.com/…/biblarte/albums/72157611824253132) tem uma coleção de fotografias das atividades da Emissora Nacional, tiradas por Mário Novais (1899-1967). Elas representam a emissão e os serviços administrativos, sem data específica. Como não conheço bem os equipamentos, não consigo encontrar mais elementos de identificação. Uma das imagens mostra o que parece uma emissão de teatro radiofónico, conseguindo eu descobrir que a figura central é o locutor/sonoplasta Jorge Alves.

A minha hipótese é que as fotografias teriam sido tiradas ao longo da década de 1940, dado haver algumas delas com a atriz Armanda Ofélia e terem o ano de execução: 1940. Na fotografia de emissão, há a existência de três equipamentos de gravadores de fita magnética, o que remete para anos finais dessa década (ou mesmo depois). Na mesa do locutor, os discos que se veem parecem ser de 78 rpm (os de 33 rpm viriam no final da década de 1940, tornando-se populares nos finais da década seguinte).

Comentários:

Jorge Guimarães Silva Vamos ver se consigo acrescentar informação. O magnetofono (vulgo máquina de bobines) parece-me ser – pelo menos uma delas – Ampex, que tendo um só VU (mostrador de volume), são monofónicas. Acontece que estas máquinas só surgiram na década de 1950, após algumas da Telefunken terem sido trazidas da Alemanha, após a sua capitulação, em 1945, e entregues à EMI, em Inglaterra e à Ampex, nos EUA. Situaria a foto da régie, no início da década de sessenta, também pelos Gira-discos, que são já de um diâmetro considerável – o que só aconteceu nos anos 50, do século passado.

Fernando Madeira Diniz Uma das fotografias é Eduardo Street na mesa de montagem. Embora sem certeza, julga que seria a Drª. Maria da Paz em pé, não me lembrando do nome do técnico, o que pode remeter até para princípios da década de 1960. Os estúdios seriam da rua de S. Marçal.

António Tilly O gravador de fita do meio é um Ampex 300 mono da segunda geração e o da esquerda uma variante posterior, a partir da versão portátil, e montada em suporte com rodas (?). Apesar de ser de 1949, essas máquinas dificilmente terão chegado à EN antes de 1953/54. O gira disco parece ser um EMT 927 montado com um braço SME longo ou EMT 997 (conhecido como “banana”), para discos “acetato” até 16”, também posteriores a 1951. A cabeça do pick-up parecem-me uma ortophon mais longa que o modelo AB, podendo ser uma SPU (até das primeiras estéreo), o que só seria possível depois de 1955. O outro gira-discos parece ter um braço e cabeça EMT, possivelmente com agulha para os 78. Pelo vestido e sapatos da senhora diria que estamos, pelo menos, no final de 50s.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Rogério Santos (13 de Dezembro de 2020). Emissora Nacional. HISTÓRIA DA RÁDIO EM PORTUGAL. Recuperado em 24 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/t7r4


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search