Fichas radiofónicas (25) – Ilídio Inácio

Ilídio Inácio começou a sua atividade ligada à rádio em Santarém, a fazer locução de anúncios numa feira popular. Acompanhou os três primeiros anos de vida de Rádio Ribatejo. Depois, em 1953, receberia um convite para uma rádio no Porto, Rádio Clube do Norte, pertença de Adolfo Quaresma, logo depois falecido. A família Quaresma decidiu abrir as portas em termos de proprietário ao escalabitano. Ilídio Inácio tornara-se repórter, locutor e produtor.

No Porto, ele seria muito conhecido como produtor de programas desportivos (futebol e hóquei em patins) e de teatro radiofónico. Eça de Deus era o autor dessas peças.

Um locutor tinha de ser “um profissional fora de série, com bastante cultura e bem informado acerca dos problemas mundiais”, além de conhecer a música pop e o desporto. No seu entender, deveria existir uma escola de rádio, para formar assistentes de produção, técnicos e locutores. A realidade do Porto era distinta de Lisboa, com esta cidade já servida pelos cursos do SNI e da Rádio Universidade. Em Rádio Clube do Norte, Alberto Mendonça fazia a seleção e orientação de programas. Mário Taborda tinha programas conhecidos, casos de “Romance” e “A Medicina e o Desporto”. Uma nota – um programa de Carlos Porto, Divulgação”, estava suspenso. Na verdade, ele estava proibido. Divulgação era também o nome de uma livraria que serviu bem a oposição política ao Estado Novo.

Empreendedor, Ilídio Inácio possuía um estúdio particular onde trabalhava com o técnico Alberto Mendonça e dois locutores, na rua Júlio Dinis, então uma das avenidas novas do Porto, com as suas lojas e cafés muito conceituados e zona de escritórios de empresas, depois continuada com a inauguração de um dos mais emblemáticos centros comerciais da cidade e do país, Brasília.

Da união da rádio e do jornalismo, ele defenderia a linha direta entre o “Jornal de Notícias” e a cabina da rádio, aludindo até a um projeto de ida das rádios para o andar superior do edifício do jornal. “Gostaria também de ver noticiários curtos que mantivessem o ouvinte atento durante todo o dia”. Além do Jornal de Notícias, Ilídio Inácio mantinha uma relação estreita com o Norte Desportivo, feito nas instalações de outro importante jornal da cidade, O Primeiro de Janeiro, na rua de Santa Catarina. Sobre o movimento de renovação da música portuguesa, com valorização da balada, ele mostraria gostos clássicos. “No setor balada caminhamos para a saturação”, com música boa e música má. Como a juventude gostava de música anglo-saxónica, ele via-se obrigado a passar música em inglês.

Ilídio Inácio preconizava a reunião dos Emissores do Norte Reunidos, então divididos por diversas estações, o que permitiria melhorar a qualidade dos programas. Na verdade, pouco mais de dois anos depois, a Emissora Nacional compraria aquelas estações, que perderiam os nomes tradicionais, e Ilídio Inácio desenvolveu a sua atividade de produtor independente, criando a empresa Quadrante Norte. Após a nacionalização da rádio, em dezembro de 1975, ele forneceria serviços, com novo estúdio na Senhora da Hora, para Rádio Comercial Norte e Rádio Renascença, incluindo relatos desportivos.

Nova Antena, 31 de outubro de 1969


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search