Estudo sobre rádios locais

Repesquei agora um estudo que fiz em 2008 sobre as rádios locais – e contribuo para a discussão estabelecida a semana passada sobre os apoios financeiros do Estado aos media, para reduzir efeitos económicos provocados pela pandemia.

A meio da década inicial do século XXI, o preço médio do anúncio publicitário, base de financiamento das rádios, a partir de valores de tabela, era 198 euros numa rádio nacional e 15 euros numa rádio local. Entre 1999 e 2000, o total dos investimentos publicitários subiu ligeiramente (3%), mas baixou, depois, em cerca de 20%, recuperando ligeiramente em 2004 (entrevista pessoal com presidente da Associação Portuguesa de Radiodifusão, 2005). Com taxas de desconto a ir até aos 80% nas rádios nacionais e 60% nas rádios locais, os valores reais seriam de 40 euros em rádio nacional e seis euros em rádio local (aqui, poderia descer mesmo aos três euros) (Change Partners e Escola Superior de Comunicação Social, estudo para a ERC “Caracterização do Sector da Radiodifusão Local”, 2009: 126), acarretando problemas de solvência – e críticas à falta de apoios do Estado (subsídios, publicidade institucional).

O mercado publicitário nacional seria incapaz de viabilizar todos os projetos de rádio então existentes (fixemo-nos em 354), evidenciado em concelhos de baixa densidade populacional. Por exemplo, durante anos, houve frequências livres em Portalegre, por ausência de propostas. Poucas rádios formaram associações ou tentaram fundir projetos, preferindo políticas de rivalidades locais. A falta de economia de escala identificava-se nas queixas das rádios locais. A fraca estruturação organizacional notava-se na faturação e no número de colaboradores. Com poucos quadros (programadores, jornalistas), a programação era má e indiferenciada. Houve mesmo mimetismo na programação entre rádios nacionais, como Rádio Comercial, e rádios locais, caso das playlists.

Encontro uma última justificação: o modelo da rádio livre era amador e com ausência de preocupações fiscais, por não pagamento de encargos com Segurança Social, Finanças (IRC) e Sociedade Portuguesa de Autores, entre outras. Com a legalização em 1989, cada rádio viu-se obrigada a prover esses impostos.

Por isso, não me parecem muito justas algumas reclamações que fui lendo ao longo da semana. Os problemas surgiram logo no ninho fundador.

Santos, Rogério (2008). “Rádios Locais em Portugal, 2000-2004”. In Manuel Pinto e Sandra Marinho (org.) Os Media em Portugal nos Primeiros Cinco Anos do Século XXI. Porto, Portugal: Campo das Letras, pp. 84-90 (disponível em http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/41092)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search