Fichas radiofónicas (23) – processos de gravação

De modo simples: gravar um som foi muito mais difícil do que reproduzir imagens. Edison construiu equipamentos iniciais, de onde surgiriam uns discos em cilindro, muito frágeis. Depois, foi o disco plano, como se vê nas três primeiras imagens. O registo em fita magnética remonta aos anos da II Guerra Mundial, sistema que se manteve atual durante longas décadas, como ilustro nas duas últimas imagens.

Hoje, com a digitalização, é tudo mais fácil. Até com um telemóvel se pode gravar e montar sons!

Imagens: gravação de disco (arquivo RTP); Fábrica Portuguesa Rádio Triunfo (1973), instalação de registo em disco; disco da Ideal Rádio, 1951, em 78 rotações por minuto, Nas Voltinhas do Marão, de Maria Luiza; Fernando Pires (sonoplasta de teatro radiofónico) (Nova Antena, 3 de outubro de 1969); Moreno Pinto (Flama, 6 de novembro de 1964).

Comentário de Fernando Rocha: ” na Ideal Rádio, Júlio Silva gravava discos a que chamávamos acetatos, porque eram placas redondas de alumínio fino banhadas, de ambos os lados, por um acetato no qual um estiltete, no extremo de um braço (tipo pick-up), colocado no disco em movimento abria um sulco donde ia saindo um fiozinho que, com uma pequena escova, íamos procurando enrolar no eixo central em que o disco era enfiado, para o fiozinho não interferir com o movimento desse braço. A isto podia chamar-se, mesmo, e com propriedade, gravação”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search