Armando Carvalhêda e a Rádio Clube de Alcácer do Sal (RCAS)

Armando Carvalhêda – que hoje conhecemos do programa Viva a Música na Antena 1, com a sua filha Ana Sofia e dedicado à música portuguesa – começou a trabalhar quase como se fosse um profissional na rádio em 1972-1973, enquanto cumpria o serviço militar na Guiné (1971-1973). Era o programa designado carinhosamente “Pifas”. O programa não tinha profissionais propriamente ditos, pois pertencia a uma estrutura militar, da responsabilidade da Repartição de Assuntos Civis e Acção Psicológica (APSICO), segunda repartição do Comandante-Chefe.

Mas Armando Carvalhêda tivera uma experiência anterior, ao ser um dos fundadores de uma rádio não legalizada (não gosto do termo pirata), Rádio Clube de Alcácer do Sal (RCAS). Nessa altura (1967-1968), estudava em Setúbal e um colega dele, dado às coisas da eletrónica e que passava os fins de semana em Alcácer do Sal, aparecia constantemente com invenções. Um dia, propôs-lhe criar um emissor de rádio. Ele era assinante de uma revista inglesa de eletrónica, onde vinham anúncios de kits para fazer pequenos emissores, de fraquíssimas potências. A rádio RCAS, emissor 225, foi para o ar em 1967 e emitia em ondas médias, aos fins de semana. A estrutura de RCAS era mínima: emissor, antena, gravador para emitir os programas gravados, dois gira-discos e microfone. Não havia publicidade.

A programação era preenchida com música e reportagens (não havia noticiários). Foi a reportagem que levou à morte da rádio. O colégio frequentado por Armando Carvalhêda ficava próximo da casa de José Afonso e ele teve a ideia de lhe fazer uma entrevista, montando-a com os meios que tinha, um velho gravador de cassetes. Claro que a rádio acabou ali, com emissor apreendido, pois a entrevista a José Afonso incomodou ao poder. Ao invés de mera conversa, a entrevista contou com espaços de música, a deixar entender que o entrevistado não podia chegar ao fim do desenvolvimento da sua ideia. A entrevista incluiria uma canção , “Chamaram-me Cigano”, mais tarde registada em álbum do cantor. José Afonso tocou a canção num canto da sala e os amadores da rádio gravaram.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Rogério Santos (15 de Maio de 2020). Armando Carvalhêda e a Rádio Clube de Alcácer do Sal (RCAS). HISTÓRIA DA RÁDIO EM PORTUGAL. Recuperado em 24 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/t7m2


Um comentário em “Armando Carvalhêda e a Rádio Clube de Alcácer do Sal (RCAS)”

  1. Sem dúvida, pode dizer-se que esta é uma história real e contada com grande rigor.
    Ainda há quem tenha vontade de coligir tanta informação e partilha-la.
    Obrigado

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search