Fichas radiofónicas (9) – os intocáveis

“Intocável” é alguém ou entidade que não pode ser atacado ou criticado, porque protegido por pessoas ou instituições poderosas, diz o dicionário. Mas aqui o significado é diferente.

Paulo Fernando e Orlando Dias Agudo foram os responsáveis da rubrica Os Intocáveis em Rádio Clube Português: “apesar de feita em tom ligeiro, ainda que sério, tem suscitado todo um mundo de controvérsia”, lia-se na legenda que anunciava o programa (Nova Antena, 14 de fevereiro de 1969). Logo depois, Orlando Dias Agudo explicaria a razão da rubrica, surgida ainda em 1967: “apontar aquilo que de mau ia surgindo no panorama musical português” (Nova Antena, 14 de março de 1969). O alvo era somente a música portuguesa e em especial as letras das canções. Com apenas dez minutos de emissão semanal, o programa constituiu um grande êxito.

O grande impacto do pequeno programa era o som de um disco a partir-se. Os autores tinham gravado o ruído de um disco a quebrar-se no chão e acompanhavam a sua crítica de intocável com essa passagem sonora “catrapum, zás, catrapaz”, a conceder mais realismo. À facilidade de gravar um disco – como escrevia o jornalista: “hoje, qualquer bicho careta pode gravar um disco” – os autores da rubrica propunham qualidade. Claro que a iniciativa causaria aborrecimentos aos autores, mas, ao mesmo tempo, teria havido editoras que pediam para eles tocarem os discos por si editados. As frases-chave do programa eram “falem de mim nem que seja a dizer bem” e “este disco é intocável mas felizmente não inquebrável, por isso vamos parti-lo”. São duas frases tão criativas como é a rádio. Há disto na televisão ou na internet? E onde está, a não ser na rádio, a magia do som e as vozes certamente graves e sérias daqueles senhores a dizerem isto?

Esta rubrica – que deve ter dado muito prazer aos pequenos patifes😁 Paulo Fernando Tac-Tac e Orlando Dias Agudo – devia voltar agora. Quando ouço alguns músicos e letras das suas canções fico pelos cabelos. Como rimar bruxa com Fatucha ou geleia com teia ou esfreguei-a. Ou as vozes. Cá em casa, a um cantor chamamos-lhe o “arrasta móveis”. O rapaz até tem simpatia e boa presença, mas não canta.

Orlando Dias Agudo é um homem culto e que eu estimo – pelo que mando um abraço daqui. Aliás, ele, pouco depois, receberia o prémio Maria Matos de teatro, jornalismo e rádio pelo trabalho “Maria Matos – uma vida ao serviço do teatro” (Nova Antena, 10 de abril de 1970).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search