RFM

Da página de João Manuel Alves (Joao Manuel Alves | Facebook) retirei o seguinte sobre a formação da RFM:

«Na altura era um “segredo” bem guardado. A Rádio Renascença preparava o lançamento da RFM, a segunda rede nacional de FM, que tinha sido atribuída, no meio de alguma polémica, pelo governo, à Emissora Católica Portuguesa. Antecipando o lançamento da nova “frequência” a RR, através do Eng. Magalhães Crespo, estabeleceu um acordo com a Universidade Técnica de Lisboa, em cujas diferentes faculdades existiam “secções sonoras”, rádios que emitiam em “circuito fechado”, no sentido de a cada uma delas ser oferecida pela RR uma hora diária de programa a transmitir, se a memória não me falha, entre a Meia noite e a Uma da manhã.

A dada altura desse processo, o Eng. Magalhães Crespo chamou-me para me dizer que contava comigo para coordenar o processo do lado da Renascença em colaboração com uma Professora, de cujo nome, confesso, já não me lembro, indicada pela Universidade Técnica de Lisboa.

O objetivo do programa seria o de encontrar valores jovens que pudessem, por uma lado, vir a rejuvenescer os quadros da emissora e, por outro, fazerem parte da futura RFM, cujo lançamento haveria de manter-se em segredo, conhecido apenas por um número restrito de pessoas.

Esboçou-se por um plano de trabalho que começou pelas inscrições dos interessados, a sua seleção através de provas preparadas para o efeito, constituição de equipas e escolheu-se democraticamente o nome do programa que ficaria como OPÇÃO!

O entusiasmo era grande e após algumas sessões simuladas em gravação conclui que tinha chegado o momento de avançar para a produção/emissão dos programas. Todos os dias havia uma reunião, com cada uma das equipas, para preparar os conteúdos, sua abordagem e produção, para a semana seguinte.

Eram dezenas de jovens movidos, uns pela mera curiosidade, outros na busca de uma oportunidade de ouvir as suas ideias e vozes na estação que liderava as audiências de rádio a nível nacional.

Os programas eram todos gravados aos sábados, depois do almoço, em jeito de maratona. A Renascença “enchia-se” de gente nova num autêntica festa de rádio.

A RFM acabaria por surgir, creio que em 1984, e alguns desses jovens lá estavam na primeira linha. Outros seguiram os seus caminhos por outras estações e lá estão, garbosos e competentes, a trabalhar…em Rádio.

Acima coloquei algumas fotos dos que sei que estão no ativo. Luís Loureiro, João Porto, José Relvas no Grupo Renascença. A Ana Paula Gomes no Grupo RDP, o Mário Fernando, na TSF. O TIM está apenas pela curiosidade de ter integrado o projeto Opção, o que deve ter acontecido por curiosidade porque, para ele, a música viria a ser outra.

Quanto a mim, uma ponta de orgulho, pelo meu modesto contributo para o “nascimento” da RFM e pela hipótese que pude dar a um conjunto de jovens cheios de talento».


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Rogério Santos (25 de Março de 2021). RFM. HISTÓRIA DA RÁDIO EM PORTUGAL. Recuperado em 24 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/t7so


Um comentário em “RFM”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search