A rádio portuense em 1932 segundo a revista “Maria Rita”

Em 1925, o Porto tinha uma estação de rádio, em 1928, passou para duas, em 1932, para quatro. E, antes de um périplo pelas estações, a divulgar as suas características, a revista Maria Rita saudaria os Marconis e Edisons tripeiros (habitantes do Porto).

Como publicação de humor, o texto tem de ser lido com cautela. Por exemplo, quando se escreve sobre Rádio Porto, há uma sobreposição com a rádio CT1AA, de Abílio Nunes dos Santos Júnior. Nas horas livres, este disputava provas de automobilismo no Campo Grande (Lisboa) a tripular um Bugatti com a chapa 12. Quanto a Sonora Rádio, perceciona-se que a ópera (excertos) Fausto, de Charles Gounod, era transmitida de modo excessivo, até cansar.

E, se se adivinha a paixão do despachante oficial de alfândega Henrique de Aguiar pela sua Invicta Rádio, o humorista é cáustico quanto a Júlio Silva, o palavroso mas cerimonioso dono de Ideal Rádio, sempre pronto a passar um fado de Maria Alice, a qual morava ali para os lados de Valentim de Carvalho, proprietário da empresa e editora com a mesma marca. Ainda não era o tempo da microgravação em marcha, dos discos de 45 rpm, mas Silva já afirmava os seus dotes diários de oratória ao microfone.

[Maria Rita, 30 de abril de 1932, semanário humorístico do Porto]


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search