Foguetão e a rádio

Foguetão foi um semanário juvenil editado em 1961 projetado para o ano 2000. Dirigido por Adolfo Simões Müller (1909-1989), escritor e homem da rádio, já fundador e diretor do jornal infantil O Papagaio (1935-1941), diretor de Diabrete (1941-1951) e do célebre Cavaleiro Andante (1952-1962), entre outros. Nasceu em Lisboa, frequentou o curso de medicina da Escola Politécnica de Lisboa e foi professor das Oficinas de S. José. Aos vinte e dois anos, foi admitido como secretário de redação do jornal católico Novidades.

As temáticas de Foguetão prometiam viagens alucinantes “ao mundo do passado” e ao “mundo de amanhã”, contos e crónicas de ficção científica, a ciência ao alcance de todos, aventura e mistério, enigmas policiais, artes mágicas e passatempos, crónicas de viagens, secções de desporto, cinema, rádio, televisão, discos e selos (notas retiradas da página da Hemeroteca Digital de Lisboa, onde se encontra a coleção do semanário). Cada número (de treze) tinha histórias concluídas e histórias continuadas. Duas delas eram Ásterix e Tintin, duas das mais famosas bandas desenhadas de sempre. A minha investigação não permitiu concluir se seria a primeira vez que se publicavam estas histórias em Portugal.

Do número 2, de 11 de maio de 1961, retiro o primeiro texto relacionado com a rádio, um pequeno empreendimento técnico para os jovens entusiastas e a relacionar a rádio e o mundo novo dos foguetões. Destaco a informação avançada, pois já identifica os transístores com a rádio, algo que o ensino oficial (secundário e universitário) e militar era ainda deficiente, centrado nas velhas válvulas eletrónicas.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search